Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

475 NA RUA

Governo vai criar PDV e nem todos comissionados demitidos voltarão

Azambuja deve recontratar 1.425 dos 1.900 exonerados no início do segundo mandato

11 JAN 19 - 04h:00RENATA VOLPE HADDAD

Após a exoneração de 1.900 funcionários com cargos comissionados no início deste mês, apenas 1.425 devem voltar à ativa no governo de Mato Grosso do Sul. O enxugamento na folha de servidores deve ser em torno de 25% e isso resulta em não recontratar 475 funcionários, além disso criar PDV – conforme divulgado com exclusividade pelo Correio do Estado na edição do dia 4 deste mês.

A informação foi dada pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) em entrevista ao jornal Bom Dia MS. Após ter tomado posse para o segundo mandato, um dos primeiros atos de Azambuja foi publicar a dispensa de todos os funcionários comissionados, que totalizou 1.900 servidores. As gratificações chegam a 35% em comissionados ocupantes dos símbolos Direção de Chefia e de Assessoramento (DCA) DCA-2 e DCA-3.

Na época da publicação da exoneração, ele disse ser normal a dispensa e ela foi necessária para os secretários analisarem quantos funcionários realmente são precisos em cada setor. Azambuja deu prazo de dez dias para a realocação dos servidores em cargos de comissão. Durante a entrevista, o governador alegou estar trabalhando para diminuir 25% dos cargos comissionados. “Nós vamos trabalhar agora para diminuir 25%. A meta nossa do início de governo é encolher em 20% os cargos em comissão”, declarou.

Depois de publicar a exoneração dos funcionários no Diário Oficial do Estado, foi dado prazo para os secretários verem a necessidade de cargos comissionados e recontratar novamente.

Para o enxugamento da máquina pública, o governo de Azambuja diminuiu mais uma secretaria – de dez, reduziu para nove –, acabando com a pasta de Cultura e transformando-a em fundação. “Hoje, Mato Grosso do Sul tem a menor estrutura administrativa de todo o Brasil”, afirmou. 

O governador explicou como vai fazer para agilizar o atendimento ao público, sem o quadro total de funcionários do governo passado. “Trabalhar muito o E-gov. O que é o E-gov? Antigamente, você ia ao banco, fazia ali todas as transações. Hoje, faz tudo pelo celular ou tablet. E o governo tem que digitalizar também, facilitar a vida do cidadão, e isso diminui o número de pessoas”.

Azambuja disse que vai otimizar o trabalho do servidor concursado. “Vamos organizar os concursados para irmos prestando o melhor serviço à população. Todos nós somos servidores públicos. Então, modernizar o setor público, diminuir estruturas administrativas, encolher sem diminuir o atendimento à população, e aí você vai conseguir fazer com que se possa ter uma melhor prestação de serviço e tornar menor o impacto financeiro das contas e a rubrica de pessoal”, explicou.

LRF

O governador do Estado foi questionado sobre um relatório do Tesouro Nacional em que Mato Grosso do Sul aparece sendo um dos 14 estados que não cumpriram com o limite de gastos com pessoal de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

O Estado contestou essa informação e Azambuja disse estar dentro da lei. “O que nós contestamos é que quem fez aquele panorama na mídia nacional, nos 14 estados, foi um parecer da Secretaria de Tesouro.

Nós estamos rigorosamente dentro da LRF, que impõe o limite de gastos com pessoal. Agora, esse é um problema de todos os estados brasileiros. Precisamos diminuir, estamos no limite prudencial, e se está quase atingindo o teto. Então, você não pode ampliar gasto com pessoal”.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASÍLIA

Alcolumbre diz que criará comissão mista para discutir reforma tributária em 2020

BRASÍLIA

Nova líder do PSL na Câmara, Joice tira bolsonaristas da CPMI das Fake News

TSE aprova normas para eleição municipal de 2020
ELEIÇÕES 2020

TSE aprova normas para eleição municipal de 2020

Senado aprova pacote anticrime
BRASÍLIA

Senado aprova pacote anticrime

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião