Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 15 de novembro de 2018

troca-troca

Governo começa a entregar cargos por votos contra denúncia de Temer

19 JUL 2017Por FOLHAPRESS23h:00

O governo de Michel Temer começou nesta quarta-feira (19) a promover as primeiras trocas de cargos para garantir votos no plenário da Câmara contra a denúncia da PGR (Procuradoria-Geral da República), segundo a qual o presidente cometeu crime de corrupção passiva no exercício do cargo.

O Diário Oficial da União (DOU) desta quarta traz uma exoneração para punir traição e, segundo a reportagem apurou, três nomeações de indicados por apoiadores de Temer.

Como a Folha de S.Paulo informou, foi publicada a exoneração de Thiago Martins Milhim do cargo de diretor do departamento de administração da Funasa (Fundação Nacional de Saúde).

Trata-se de uma punição à deputada Renata Abreu (Podemos-SP), que votou contra Temer na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, na semana passada.

Por outro lado, o PSC, partido de André Moura (SE), líder do governo no Congresso, foi agraciado com a nomeação de dois indicados para ocupar diretorias da Dataprev (Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência): Matheus Belin e Antônio Ricardo de Oliveira Junqueira.

Auxiliares de Michel Temer informaram que também foi nomeado um indicado do deputado Alberto Fraga (DEM-DF). Na enquete promovida pela Folha de S.Paulo, ele consta como indeciso sobre como se manifestará em relação à denúncia contra Temer.

Roberto Postiglione de Assis Ferreira Junior foi nomeado para o cargo de diretor de planejamento e avaliação da Sudeco (Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste).

A base aliada do governo vinha pressionando o Palácio do Planalto desde a semana passada, logo após a aprovação do parecer favorável a Temer, para que se começasse a distribuir os cargos dos traidores aos que se mantiveram fiéis.

No início da semana, o entendimento do governo era que se deveria segurar as retaliações, na expectativa de virar votos para a decisão final.

Em conversas reservadas, o peemedebista avaliou que, diante do momento delicado, o Palácio do Planalto deveria continuar negociando com os parlamentares governistas, mesmo com aqueles que votaram pelo prosseguimento da acusação na CCJ. Por isso, somente o Podemos foi punido até o momento.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também