Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CÂMARA DOS DEPUTADOS

Fiel a Bolsonaro, Luiz Ovando é indicado como vice-líder do PSL

Parlamentar de MS aparece em três listas encaminhadas pela ala que apoiava a troca da liderança

22 OUT 19 - 14h:49YARIMA MECCHI

Fiel ao presidente Jair Bolsonaro e ao seu filho e deputado federal, Eduardo Bolsonaro, o parlamentar de Mato Grosso do Sul, Luiz Ovando, foi indicado como vice-líder do PSL na Câmara dos Deputados. Após uma grande disputa de listas pela liderança do partido, ontem Eduardo foi reconhecido como o porta voz da agremiação na casa de leis indicou 13 nomes para a vice-liderança. 

Além de Luiz Ovando, também foram indicados como vice-líderes os deputados Filipe Barros (PSL-PR), primeiro vice-líder; Sanderson (RS); Carla Zambelli (SP); General Girão (CE); Márcio Labre (RJ); Alê Silva (MG); Daniel Silveira (RJ); Chris Tonietto (RJ); Junio Amaral (MG); Bibo Nunes (RS); Bia Kicis (DF); Luiz Philippe de Orleans e Bragança (RJ).

O nome de Luiz Ovando aparece nas três listas encaminhadas por parlamentares da ala bolsonarista que apoiavam a troca da liderança do partido do Delegado Waldir (PSL-GO) para Eduardo Bolsonaro ao contrário do também deputado de Mato Grosso do Sul, Loester Trutis que tem o nome apenas na primeira lista encaminhada na quarta-feira (16), às 21h50 (horário de Brasília) para a secretaria-geral da mesa da Câmara dos Deputados.
 
Ontem, conforme a imprensa nacional, o primeiro ato de Eduardo Bolsonaro como líder do partido na casa foi destituir os vice-líderes que estavam ligados ao Delegado Waldir e também ao presidente da Executiva nacional do PSL, Luciano Bivar. São eles: Dayane Pimentel (BA), Nicoletti (RR), Nereu Crispim (RS), Nelson Barbudo (MT), Júnior Bozzella (SP), Julian Lemos (PB), Joice Hasselmann (SP), Heitor Freire (CE), Felício Laterça (RJ), Coronel Tadeu (SP) e Charles Evangelista (MG). Também foi desligado da vice-liderança o deputado Daniel Silveira (RJ), responsável por gravar o então líder da legenda, deputado Delegado Waldir, em uma reunião em que falava sobre “implodir” o presidente Jair Bolsonaro.

Punição 

Conforme o Estadão, o PSL abriu hoje um processo disciplinar contra Eduardo Bolsonaro e mais 18 deputados da ala ligada ao presidente do Brasil.  Pouco depois de serem notificados, porém, eles conseguiram na Justiça uma liminar para evitar punições.

Segundo a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) a medida invalida a tentativa da Executiva Nacional do PSL de suspender as atividades de 19 parlamentares. Pelo processo aberto pelo PSL, o prazo para apresentarem a defesa seria de cinco dias. As punições poderiam ir de uma simples advertência até a expulsão dos parlamentares da legenda.

A decisão do conselho de ética do PSL é mais um capítulo da disputa entre os grupos ligados a Bolsonaro e ao presidente da legenda, Luciano Bivar (PE). Em jogo está o controle do partido, que se tornou uma superpotência após eleger 52 deputados no ano passado e angariar a maior fatia dos recursos públicos destinados às siglas. Apenas neste ano, o PSL deve receber R$ 110 milhões de fundo partidário.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Secretário de Saúde também é citado em suposto esquema de compra de votos
INVESTIGAÇÃO

Secretário de Saúde também é citado em suposto esquema de compra de votos

Bolsonaro assina carta <br>de desfiliação do PSL
OFICIALIZOU SAÍDA

Bolsonaro assina carta
de desfiliação do PSL

CCJ da Câmara adia votação da PEC da segunda instância
BRASÍLIA

CCJ da Câmara adia votação da PEC da segunda instância

Câmara tem protesto e bate-boca após intervenção da Guarda em terminal
TRANSPORTE COLETIVO

Câmara tem protesto e bate-boca após intervenção da Guarda em terminal

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião