Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASIL

FHC critica pedidos de expulsão de Aécio do PSDB

FHC critica pedidos de expulsão de Aécio do PSDB
12/07/2019 12:24 - ESTADÃO CONTEÚDO



O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso reagiu nesta quinta-feira, 11, à pressão feita por lideranças do PSDB ligadas ao governa dor de São Paulo, João Doria, pela expulsão do partido o deputado Aécio Neves (MG), após a abertura de ação penal contra ele na Justiça Federal de São Paulo, no início do mês. Em mensagem publicada no Twitter, FHC ressaltou que o PSDB tem estatuto e código de ética a serem seguidos, e afirmou que "jogar" filiados "às feras", sem aguardar uma decisão judicial, é "oportunismo sem grandeza". 

"O PSDB tem um estatuto e uma comissão de ética. Há que respeitá-los. Jogar filiados às feras, principalmente quem dele foi presidente, sem esperar decisão da Justiça, é oportunismo sem grandeza. Não redime erros cometidos nem devolve confiança", escreveu o ex-presidente. A manifestação de FHC ocorre um dia depois do prefeito de São Paulo, Bruno Covas, engrossar o coro pela expulsão de Aécio. A jornalistas, Covas chegou a afirmar, na quarta-feira, 10, que era "ou ele ou eu" no partido.

É dos diretórios municipais das duas maiores cidades paulistas, São Paulo e São Bernardo do Campo, que parte a pressão mais forte pelo desligamento de Aécio - ambos já aprovaram pedidos de expulsão. A preocupação é que o desgaste da imagem de Aécio respingue na campanha do ano que vem. 

Em nota, o PSDB paulistano rebateu nesta quinta as afirmações de FHC. O texto, assinado pelo presidente Fernando Alfredo, afirma que o diretório respeita a trajetória de Fernando Henrique, presidente de honra do partido, mas discorda de sua posição. Segundo a nota, a trajetória de Aécio "não condiz com o que FHC tem de legado". "É inadmissível que pessoas como Aécio Neves permaneçam nos quadros partidários". O texto justifica que o pedido de expulsão "se deveu pelo fato de não compactuarmos com a postura e o histórico de Aécio, que conspurcam a imagem do partido". 

Além do PSDB paulistano, o diretório tucano de São Bernardo do Campo também formalizou pedido de expulsão de Aécio da legenda. A decisão, de anteontem, foi acatada por unanimidade. A ação foi comandada pelo prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando, integrante da executiva nacional do PSDB, e a deputada estadual Carla Morando, líder do partido na Assembleia paulista

Segundo Orlando, a iniciativa do partido por enquanto se concentra em Aécio, e não em outros tucanos alvos da Justiça, como o ex-governador Beto Richa e o ex-presidente da legenda, Eduardo Azeredo - ambos chegaram a ser presos - porque o deputado mineiro é mais conhecido, por ter sido candidato à presidência em 2014. "Aécio causou os maiores danos à imagem do partido", disse.

Réu

Aécio foi denunciado em 2017 pela Procuradoria-geral da República, sob acusação de receber propina de R$ 2 bilhões, do grupo J&F, e de tentativa de obstrução da investigação da Lava Jato. E virou réu por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em abril de 2018. 

Após a eleição, por não ser mais senador, o caso foi enviado à primeira instância. A denúncia então foi ratificada pelo Ministério Público Federal em São Paulo. No dia 2 de julho, a denúncia foi recebida pelo juiz João Batista Gonçalves, da 6.ª Vara Criminal Federal. 

Dois dias depois, o diretório paulistano aprovou um pedido de expulsão. Na terça-feira passada, Doria afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo defender uma "saída espontânea" do deputado, para evitar a necessidade de expulsão. Abordado na Câmara para comentar o assunto, Aécio disse que "não tem nada a falar". Procurada, a assessoria afirmou que o deputado não iria se pronunciar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Felpuda


Pré-candidato pode estar sendo “fritado” sem ao menos perceber. Redes sociais que têm estreitas ligações com ex-cabecinhas coroadas e que prometeram apoio estão enaltecendo que só certo pré-candidato de outro partido. Quem conhece as ditas figurinhas de, digamos, outros carnavais, acredita que está em curso operação sorrateira para mudar internamente os rumos da futura campanha. Trocando em miúdo: ceder a cabeça de chapa.