Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

GOVERNO BOLSONARO

Estatal é como filho que fugiu de casa e se droga, diz Guedes

13 FEV 19 - 13h:32FOLHAPRESS

O ministro da Economia, Paulo Guedes, comparou nesta sexta-feira (8) as estatais brasileiras a filhos que fugiram de casa e hoje são drogados.

Em sua visão, disse, todas deveriam ser privatizadas, mas o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e os militares pediram que algumas permaneçam estatais.

"Eu falava que tinha que vender todas [as estatais], mas naturalmente o nosso presidente, os nossos militares olham para algumas delas com carinho, como filhos, porque foram eles que as criaram. Mas eu digo, olha que seus filhos fugiram e hoje estão drogados", disse, em evento sobre privatizações no BNDES.

Guedes não citou nomes das empresas, mas o governo já decidiu, por exemplo, que não privatizará a Petrobras. Em discurso em outro painel, o secretário de Desestatizações e Desinvestimentos, Salim Mattar, citou ainda BNDES e Caixa entre as estatais que Bolsonaro e os militares querem manter.

Para a Eletrobras, será mantida a proposta de capitalização anunciada no governo Temer, que compreende o lançamento de novas ações para venda a investidores privados, diluindo a fatia estatal.

De acordo com o presidente da companhia, Wilson Ferreira, a expectativa é o que o modelo esteja definido até março, para que o lançamento de ações ocorra no início de 2020.

Em seu discurso no evento, o ministro da Economia defendeu que o governo brasileiro não pode mais carregar "ninhos de corrupção", que dão prejuízo, apenas para garantir apoio político em troca de cargos públicos.

"A velha política morreu. Não sabemos qual é a nova, mas sabemos que a velha política morreu. As estatais não vão alimentar mais aquela forma de fazer política", afirmou. Ele defendeu que privatizações podem ajudar a cortar gastos públicos e permitir foco em investimentos sociais, como saúde, educação e segurança.

No evento, o BNDES apresentou exemplos das privatizações das seis distribuidoras que eram operadas pela Eletrobras, concluído em 2018.

Segundo o presidente do banco, Joaquim Levy, foram transferidos R$ 9,3 bilhões em dívidas a empresas privadas, que terão de aportar R$ 2,4 bilhões em capital e R$ 6,7 bilhões em investimentos.

"Com esse processo, a gente conseguiu tirar um peso do Estado", reforçou a secretária-executiva do Ministério de Minas e Energia, Marisete Pereira, argumentando que a situação das empresas tomavam tempo do governo e da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

As seis empresas, que operam nas regiões Norte e Nordeste, foram vendidas em três leilões realizados em 2018, em um processo que enfrentou grande resistência de trabalhadores e políticos locais.

Guedes diz que a estratégia futura é descentralizar o processo de privatizações, com foco em empresas controladas por estados e municípios. Para isso, o BNDES está alterando sua estrutura, criando diretorias para se aproximar dos governos estaduais e prefeituras.

A modelagem de privatizações e concessões será um dos focos do BNDES, reforçou o presidente da instituição. Ele disse que o banco continuará emprestando dinheiro, mas a juros de mercado e em parceria com o setor privado.

"O BNDES vai continuar proporcionando crédito de longo prazo para investimento, mas agora já sem subsídio e com disciplina, focando realmente onde pode haver falhas de mercado e com parceiros do setor privado", disse Levy.

Para Mattar, o banco não deve mais ter participação relevante em financiamentos a privatizações ou concessões. "Não podemos permitir que o investidor ganhe uma obra, uma concessão, coloque 10% de capital e pegue 90% no BNDES. Isso é estatismo", comentou.

O ministro da Economia deixou o evento no banco sem conceder entrevista.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Em ato de filiação de prefeita, Delcídio anuncia pré-candidatura ao governo em 2022
ELEIÇÕES

Em ato de filiação de prefeita, Delcídio diz que vai disputar governo em 2022

"Um companheiro de vida", diz viúva de Juvêncio durante velório
DESPEDIDA

"Um companheiro de vida", diz viúva de Juvêncio durante velório

Juvêncio seria homenageado pela Câmara Municipal na segunda-feira
LUTO

Juvêncio seria homenageado pela Câmara Municipal na segunda-feira

Nova direção do PT quer eleger até dez prefeitos em 2020
ELEIÇÕES 2020

Nova direção do PT quer eleger até dez prefeitos em 2020

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião