Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

SENADO

Emenda constitucional da reeleição completa 20 anos

4 JUN 17 - 14h:01FOLHAPRESS

Há 20 anos, o Senado aprovava em segundo turno a emenda constitucional que hoje permite a reeleição para presidente da República, governadores e prefeitos. A alteração foi promulgada em sessão solene do Congresso.

Depois de fazê-lo, o presidente do Senado à época, Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), o então presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), e líderes aliados do governo foram ao Palácio do Planalto entregar o texto da emenda ao presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

O plenário do Senado aprovou a emenda por 62 votos a favor e 14 contra. Em sessão que durou apenas nove minutos, apenas dois parlamentares se abstiveram de votar –os senadores Epitácio Cafeteira (PPB-MA) e Lucídio Portella (PPB-PI).

Além dos onze senadores do bloco da oposição (PT, PDT, PSD e PPS), votaram contra a medida os congressistas Emília Fernandes (PTB-RS), Josaphat Marinho (PFL-BA) e Roberto Requião (PMDB-PR).
A alteração deu a FHC a chance de ser o primeiro mandatário a disputar uma reeleição no Brasil.

A certeza de que a aprovação da emenda fortaleceria o presidente em exercício foi ratificada por ACM.
"Pela liderança que tem, é um candidato forte à reeleição'', declarou o presidente do Senado.

Na ocasião, ele afirmou que a tendência era que seu partido, o PFL, mantivesse o apoio ao presidente nas eleições de 1998, o que incluía a permanência de Marco Maciel como candidato a vice.

O PFL em março de 2007 passou a se chamar Democratas e teve como primeiro presidente Rodrigo Maia (RJ), atual presidente da Câmara.

O ex-governador do Distrito Federal e ex-senador pelo PSDB José Roberto Arruda, cassado em 2007 e preso pela Polícia Federal na Operação Panatenaico, no último dia 23, votou a favor da emenda da reeleição.

"O Congresso vai cuidar das reformas constitucionais que faltam e o governo e o presidente vão preocupar-se muito mais com ações de política pública. Chegou a hora de as coisas terem efeito prático'', disse Arruda, à época líder do governo FHC no Congresso.

Embora aliados e governo tenham garantido vitória tranquila na votação, nem todos partilhavam do entendimento de que o momento era benéfico ao país.

O então senador Pedro Simon (PMDB-RS), que votou a favor no primeiro turno, recusou-se a repetir a escolha na segunda etapa de votação.

"Vou me retirar dessa sessão. Não vou votar. Não vou participar de um ato que violenta a Constituição'', disse.

Em discurso inflamado, ele cobrou de FHC resposta à carta enviada por ele pedindo apoio para a realização de um referendo sobre a reeleição.

Também fez discurso em defesa do referendo o ex-senador Roberto Freire (PPS-PE) –e ex-ministro da Cultura do governo Temer.

Freire era favorável à reeleição, mas depois votou contra por causa da revelação de que houve compra de votos na Câmara –maior escândalo do governo FHC , revelado pela Folha.

O ex-senador José Sarney (PMDB-AP) votou a favor da emenda, mas não comemorou o resultado.
"Pode escrever que estou reticente. Não quero falar nada. Não quero me meter nesse negócio de reeleição'', afirmou o ex-presidente.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Vereadores são nomeados para atuarem durante às férias
RECESSO PARLAMENTAR

Vereadores são nomeados para atuarem durante às férias

Tebet diz que 60 dias é mais confortável para votar Previdência
SENADO

Dois meses é mais confortável para votar reforma, diz Tebet

BRASIL

"Brasil precisa de quimioterapia para que não pereça", diz Bolsonaro

BRASIL

Placar da Previdência já conta com 42 dos 49 votos para aprovação no Senado

Mais Lidas