Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

POLÊMICA

Deputados não querem
palanque na Assembleia

Parlamentares rebateram críticas da bancada federal do PSL com relação a CPI da Energisa

6 NOV 19 - 09h:00YARIMA MECCHI E IZABELA JORNADA

“É discurso para enganar o eleitor e colocar em rede social” foi como classificou o deputado estadual José Carlos Barbosa (DEM), o Barbosinha, a pressão da senadora Soraya Thronicke e do deputado federal Loester Trustis, ambos PSL, na internet para que a Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALEMS) assinasse o requerimento do deputado Capitão Contar (PSL) para a instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigue possíveis irregularidades  nas contas de energia dos consumidores do Estado.  

A senadora e presidente do PSL-MS postou um vídeo onde pede explicações sobre um suposto valor de R$ 200 mil como custo da CPI. O vídeo foi gravado na frente da ALEMS onde a senadora afirma que protocolou um pedido especificando o que seria gasto com a CPI. Ela justifica ainda que a bancada federal do Estado já procurou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e a Energisa, mas não obteve respostas satisfatória.

Com relação ao vídeo do deputado Loester, também gravado na sede do Legislativo sul-mato-grossense, ele usa palavras de baixo calão para identificar os parlamentares que não assinaram o requerimento do Contar. E também afirma que protocolou um pedido de especificação de valores.

Por conta da declaração, a sessão de ontem foi interrompida em uma hora para reunião com todos os deputados, menos o Capitão Contar que não estava na ALEMS. Na  conversa foram definidas quais as providências devem ser tomadas.  

Durante o discurso no plenários, Barbosinha afirmou que após Contar não conseguir assinaturas necessárias para instaurar a CPI os deputados começaram a ser “torpedeados a cerca deste assunto”. O parlamentar destacou que não foi contra a instalação da CPI e lembrou sobre a instalação de outra CPI com relação a Energisa e “pouco tempo depois ela estava sepultada junto ao Tribunal de Justiça exatamente porque não trazia o chamado fato determinado”, a razão pela qual se justifica uma CPI. “A partir do momento que eu tenho evidencia que há um desvio eu tenho o fato determinado”, ressaltou o Barbosinha.

Também em plenário o deputado Lídio Lopes (Patriotas) e presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), chegou chamar o deputado Capitão Contar  de “rei das redes sociais”. Uma imagem estaria sendo disseminada na interner com os nomes de quem assinou e quem não assinou o requerimento do deputado.  “Ao todo 53% da conta de energia está com a Itaipu e  com uma empresa de transmissão. A empresa energética que é a  Energisa aqui em MS fica com 1/4 do valor. Então porque não se questiona o parlamento federal do Senado que se instaure uma CPI para discutir a rede energética dos país, a questão da Aneel, Itaipu, Eletrosul e não só questionar as empresas  menores. Jogam para cima uma questão que não é só nossa”, disse Lídio. 

Nos bastidores da casa de leis a reclamação com relação ao deputado Contar é grande. Ele não esteve na sessão de ontem e também não participou da reunião com os demais parlamentares ficou de fora da Comissão de Ética que foi instalada na casa logo após a conversa dos deputados. 

Conforme bastidores, alguns deputados acreditam que Contar estava com medo da repercussão e por isso não compareceu na sessão. A assessoria de imprensa do parlamentar chegou a afirmar que ele estava no gabinete, porém o Correio do Estado foi ao local e informaram que o deputado estava em agenda externa. 

O uso das mídias sociais para  expor quem assinou o requerimento de CPI não foi bem visto. Alguns parlamentares cogitaram que Contar está usando o poder Legislativo para fazer sua pré-campanha a Prefeitura Municipal de Campo Grande. Ele é o nome da presidente do PSL, Soraya, para concorrer pela sigla em 2020.

Nos bastidores parlamentares avaliam que Contar está “jogando para a platéia” e tentando não fica mal com os colegas, porém faltou porque sabia que o xingamento do Trutis iria acabar respingando nele. 

O deputado Zé Teixeira (DEM) disse que o parlamentar precisa ter respeito e ainda ponderou que não adianta apenas ficar em redes sociais e não ter trabalho político para continuar. “Não tem conteúdo político e fica em rede social. Tem que usar rede social para prestar conta do que está fazendo. Ficam usando discurso para confundir o eleitor. Eu não voto em nenhum e espero que não votem em mim”, finalizou. 

CPI

Amanhã o deputado Felipe Orro (PSDB) deve apresentar um novo requerimento  de CPI. Ele afirmou em plenário que tem fato determinado e espera que todos assinem se acharem que tem válidade e acredita que tem fundamento.

 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Em 40 anos, MS só teve oito deputadas estaduais
CONSTITUINTE

Em 40 anos, MS só teve oito deputadas estaduais

Procurador da República pede para Toffoli revogar decisão sobre dados sigilosos
ANTIGO COAF

Procurador da República pede para Toffoli revogar decisão sobre dados sigilosos

Mourão exalta 130 anos da República: 'nova etapa de evolução política e social'
BRASÍLIA

Mourão exalta 130 anos da República: 'nova etapa de evolução política e social'

Pelé pede voto de confiança no País: 'É preciso ter fé no Brasil'
ENTREVISTA

Pelé pede voto de confiança no País: 'É preciso ter fé no Brasil'

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião