PROCESSO

Deputados federais do Estado indecisos <br>estão na mira de Temer

Presidente procura aumentar o número de votos para barrar denúncia
26/07/2017 06:00 - DA REDAÇÃO


 

O presidente Michel Temer (PMDB) está de olho nos parlamentares indecisos quanto à denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR).

No momento, segundo aliados do governo, cerca de 60 deputados não sabem como vão votar na semana que vem. Este é o caso de Geraldo Resende (PSDB). Ele é o único dos oito deputados da bancada federal de Mato Grosso do Sul que ainda não definiu se é favorável ou não à abertura de inquérito contra o presidente no Supremo Tribunal Federal (STF).

“Estou construindo meu voto ouvindo os prefeitos, prefeitas, vereadores e eleitores para tirar uma posição”, declarou Resende.

Também do PSDB, Elizeu Dionízio não respondeu aos questionamentos da reportagem. No entanto, como já votou contra o afastamento do presidente na Comissão de Constituição e Justiça, ele deve seguir o mesmo posicionamento na próxima quarta-feira.

Do PSB, partido atualmente da oposição ao governo, Tereza Cristina não deu declarações a respeito do voto. Porém, como tem atuado a favor de Temer em propostas como, por exemplo, a reforma trabalhista, ela deve ser contrária à abertura de processo no STF. 

Já os deputados Dagoberto Nogueira (PDT) e os petistas Vander Loubet e José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT, não escondem que votarão a favor  da investigação do presidente por corrupção passiva.

*Leia reportagem, de Tavane Ferraresi, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".