Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 18 de dezembro de 2018

ESQUEMA DE PROPINA

Deputados estaduais aprovam abertura de comissão especial para investigar Azambuja

Reinaldo Azambuja (PSDB) foi citado em delação premiada de sócio da JBS

23 MAI 2017Por IZABELA JORNADA12h:00

Antes de o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), trazer esclarecimentos aos deputados estaduais, hoje, na Assembleia Legislativa, sobre as denúncias que envolvem seu nome nas delações premiadas feitas pelos donos da JBS, a bancada de oposição do Governo  já havia redigido requerimento para investigar crimes de responsabilidade praticados pelo chefe do Executivo.

"Reinaldo trouxe documentos inerentes às denúncias e disse que está à disposição para provar sua inocência", contou o presidente do Legislativo, deputado estadual Junior Mochi (PMDB).

A bancada do PT já entrou com requerimento para que seja aberta comissão especial para investigar as denúncias contra o Executivo. "A Casa de Leis tem a função de fiscalizar o Executivo e é isso que vamos fazer", disse o petista Pedro Kemp.

Os líderes de bancada do Legislativo aprovaram o requerimento da criação da comissão especial e, segundo o regimento interno da Casa, em 48 horas ela deve ser criada e indicar os integrantes.

O líder da bancada do PSDB e presidente da Comissão de Constituição Justiça e Redação (CCJ), Beto Pereira, disse que pode chegar até 90 dias para que a comissão apresente seu parecer sobre as investigações.  "A própria perícia da Polícia Federal pede tempo para analisar e investigar os fatos", finalizou o parlamentar.

ACUSAÇÕES

Empresário Wesley Batista, um dos sócios da JBS, disse em delação premiada no âmbito da Operação Lava Jato que esquema de propina em Mato Grosso do Sul era negociado diretamente com o governador, Reinaldo Azambuja (PSDB). Ele indicou que houve pagamento de R$ 10 milhões pelo grupo. O governador negou as acusações.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também