ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Deputados aprovam duas propostas antigas em ação de limpeza de pauta

Entre as propostas, está a que permite de contas de água e luz em qualquer banco
15/05/2019 12:05 - IZABELA JORNADA


Contas de água e luz poderão ser pagas em qualquer banco do Estado, caso proposta seja aprovada em segunda votação na Assembleia Legistativa de Mato Grosso do sul. Projetos antigos que foram apresentados em 2015 foram votados durante sessão desta quarta-feira (15). A ação faz parte da limpeza de pauta que os deputados estão fazendo desde o início deste mês de maio.

Dos três projetos, apenas dois foram aprovados e o terceiro, de autoria do presidente do legislativo, deputado Paulo Corrêa (PSDB), foi derrubado por 13 votos contrários à matéria. A proposta de Corrêa era para que pessoas condenadas por crime de trânsito não fossem autorizadas a tomar posse em concursos públicos.

Deputado José carlos Barbosa (DEM) pediu a parte e declarou voto contrário justificando que já existe lei federal da Ficha Limpa que delimita os aprovados aptos a assumirem os cargos e que não entra a questão sobre crimes de trânsito. Apenas sete deputados votaram a favor da proposta e ela acabou sendo arquivada.

As outras duas matérias aprovadas são sobre a obrigatoriedade de ambulâncias em hospitais para atender pessoas que estiverem em estado de emergência, de autoria do deputado Lidio Lopes (Patriotas) e proposta, de autoria do deputado Felipe Orro (PSDB), para que contas de água, luz e demais taxas possam ser pagas em qualquer banco do Estado.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".