Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Contra impeachment

Depois de dirigente da CUT, petista da BA fala em pegar em armas por Dilma

Mensagem foi postada durante manifestações contra impeachment da presidente

23 AGO 15 - 13h:16folhapress

Presidente da Câmara Municipal de Porto Seguro (sul da Bahia), o vereador Élio Brasil (PT) afirmou nesta quinta-feira (20) que, se for preciso, pegará em armas para defender a democracia e o governo Dilma Rousseff (PT).

A mensagem, direcionada a um grupo de aliados e eleitores por meio do WhatsApp (aplicativo de celular), foi postada durante as manifestações contra o impeachment da presidente realizada na cidade baiana.

"Se for preciso pegaremos em armas para defender a democracia e o governo eleito democraticamente pelo povo. E só pra lembra [sic] em 64 já fizemos para ter essa democracia que temos hoje", afirmou.

Procurado pela reportagem, o vereador confirmou nesta sexta (21) a declaração, mas disse que falou em "pegar em armas" no sentido figurado.

É mais um aliado de Dilma que fala em pegar em arma em menos de dez dias. Em evento com movimentos sociais no palácio do Planalto, o presidente nacional da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Vagner Freitas, afirmou estar preparado com "armas" e um "exército" para barrar qualquer tentativa de tirar a presidente do poder.

No caso baiano, Brasil disse reiterou ainda, em outra mensagem pelo aplicativo, que pegaria em armas e lembrou que na época da ditadura tucanos como e ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o senador José Serra foram exilados.

"É claro que hoje não tem cabimento falar para as pessoas pegarem em fuzis ou metralhadoras. Não estou incentivando os trabalhadores a pegar em armas militares", disse o petista.

Além de vereador, Élio é dirigente do sindicato que representa funcionários de hotéis e restaurantes da região e filiado à CUT.

'FIGURA DE LINGUAGEM'

No evento em Brasília, o presidente nacional da CUT disse: "somos defensores da unidade nacional, da construção de um projeto de desenvolvimento para todos e para todas. E isso implica, neste momento, ir para as ruas entrincheirados, com armas nas mãos, se tentarem derrubar a presidenta".

Na ocasião, o dirigente também afirmou que usou uma "figura de linguagem" e não teve intenção de incitar a violência.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

PSL-MS ressalta que mandatos de deputados são do partido
EM NOTA

PSL-MS ressalta que mandatos de deputados são do partido

PRONUNCIAMENTO

Lula: PT 'não nasceu para ser partido de apoio' e 'vai polarizar em 2022'

Bancada federal se divide sobre medida que extingue seguro
DPVAT

Bancada federal se divide sobre medida que extingue seguro

Soraya e Trutis não devem seguir Bolsonaro em novo partido
CRISE NO PSL

Soraya e Trutis não devem seguir Bolsonaro na 'Aliança'

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião