Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

parceria ou não

Cúpula tucana tenta evitar
decisão de saída do governo

10 JUN 17 - 09h:02FOLHAPRESS

Pressionada a desembarcar do governo Michel Temer, a cúpula do PSDB opera para evitar uma decisão final sobre o assunto em reunião marcada para a próxima segunda (12).

Após conseguir adiar o encontro que ocorreria na quinta (8), integrantes da ala mais experiente da sigla costuram uma forma de agradar aos "cabeças pretas", os deputados mais jovens e que defendem a saída imediata do governo -o PSDB tem quatro ministérios.

Inicialmente, a ideia era a de um desembarque à moda tucana: mantendo os ministros que se considerassem à vontade para ficar no cargo, dando apoio parlamentar à agenda do governo e, ao mesmo tempo, proclamando o rompimento.

Nesta sexta (9), com Temer já virtualmente livre do risco de cassação após as deliberações do dia anterior no Tribunal Superior Eleitoral, formou-se o consenso de que é melhor não haver uma decisão final na segunda.
Resta combinar com os "cabeças pretas".

O líder do partido na Câmara, Ricardo Trípoli (SP), faria a ponte entre os dois grupos. A articulação deverá durar todo o fim de semana, e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso voltou dos EUA para participar de conversas.

O presidente interino do partido, senador Tasso Jereissati (CE), defende o rompimento, por entender que Temer sob cerco é ruim para a economia do país.

Ele foi lançado como presidenciável numa eleição indireta caso Temer venha a cair, juntamente com FHC, mas o partido baixou a bola dessa articulação para não melindrar aliados como o PSD, o DEM e o próprio PMDB.
O partido continua a considerar que Michel Temer terá sérias dificuldades para chegar ao fim do mandato, mas de todo modo a avaliação está um ou dois tons abaixo daquela feita há duas semanas.

Como integrou o governo de saída, o PSDB quer evitar a pecha de traidor, embora a ala jovem considere que ficar com o peemedebista seja fatal do ponto de vista eleitoral em 2018.

A tendência majoritária pela saída está matizada pela necessidade de fazer o processo de forma controlada.
As próximas estações da via-crúcis de Temer, como a necessidade de derrubar na Câmara a inevitável denúncia que será feita contra o peemedebista pela Procuradoria Geral da República, além dos tais fatos novos de delações, será determinante para o ritmo do partido.

Os meses até a saída do cargo do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em setembro, serão marcados por uma saraivada de más notícias contra o Planalto.

No caso específico da votação para barrar ou autorizar que Temer vire réu, o Planalto tem os 172 votos necessários hoje, e conta com o corporativismo de um Congresso que se vê acuado pela mesma Procuradoria que enfrenta o presidente.

Enquanto tenta achar um caminho, o PSDB já decidiu adiar por ora qualquer definição sobre a permanência ou não do senador Aécio Neves (MG) na sua presidência.

Aécio foi afastado do mandato de senador por ordem do Supremo na etapa da Operação Lava Jato que atingiu o mineiro diretamente, na esteira da delação da JBS.

Os "cabeças pretas" defendem que o tucano, que está licenciado da posição partidária, renuncie a ela. Senadores da sigla acham que ele pode permanecer afastado para se defender.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CCJ vota PEC paralela da Previdência em novembro, diz senadora
BRASÍLIA

CCJ vota PEC paralela da Previdência em novembro, diz senadora

Alcolumbre assume Presidência e fala em 'responsabilidade com o povo brasileiro'
INTERINAMENTE

Alcolumbre assume Presidência e fala em 'responsabilidade com o povo brasileiro'

Senado conclui votação da reforma da Previdência
BRASÍLIA

Senado conclui votação da reforma da Previdência

Ministro Marco Aurélio vota contra prisão após condenação em 2ª instância
STF

Ministro Marco Aurélio vota contra prisão após condenação em 2ª instância

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião