Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

mato grosso do sul

CPI suspeita que JBS 'engana'
o governo para ganhar dinheiro

Monteiro apura se houve apresentação de documentos fraudulentos

3 JUL 17 - 04h:00DA REDAÇÃO

A suspeita de que a JBS está “enganando o governo” para os irmãos Joesley e Wesley Batista ganharem muito dinheiro em Mato Grosso do Sul com a apresentação de documentos fraudulentos, como forma de comprovar o cumprimento dos termos de acordos sobre incentivos fiscais, está no foco da CPI da JBS, constituída pela Assembleia Legislativa.

Outro alvo das investigações será a emissão de notas frias pela empresa para mascarar investimentos “fantasmas” no Estado a fim de garantir os privilégios da renúncia fiscal, bem como pagamentos de propinas por meio de caixa 2 a políticos e operadores. 

Para verificar a “enganação”, os deputados da CPI vão aos frigoríficos da JBS para confrontar as notas dos bens adquiridos.

O propósito é saber se os investimentos previstos nos acordos são reais ou apenas fictícios. A consequência desta “enganação” ao Estado, alertou o presidente da CPI da JBS, deputado estadual Paulo Corrêa (PR), em entrevista exclusiva ao Correio do Estado, será o cancelamento de todos os benefícios fiscais concedidos pelo governo de Mato Grosso do Sul e o ressarcimento do dinheiro da concessão dos benefícios. 

O secretário estadual de Fazenda, Márcio Monteiro já determinou auditoria na JBS para verificar a confirmação da delação premiada do procurador da empresa, Valdir Aparecido Boni, à força-tarefa da Lava Jato, sobre o não cumprimento dos termos de acordos da concessão dos incentivos fiscais firmados entre 2011 e 2016.

*Leia reportagem, de Adilson Trindade, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Deputados de MS vão propor <BR>mudanças em PEC da reforma
PREVIDÊNCIA

Deputados de MS vão propor mudanças em PEC da reforma

BRASIL

Para ministro, não pode haver 'precipitação' nas privatizações

ECONOMIA

Plano de privatizações de Guedes esbarra em resistência nos ministérios

BRASIL

Congresso impõe agenda própria a Bolsonaro

Mais Lidas