Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

PORTAS FECHADAS

CPI que investiga a Energisa terá sessões secretas

Funcionários e ex-funcionários da empresa só vão falar sem a presença de representantes da concessionária

12 DEZ 19 - 09h:30FÁBIO ORUÊ

Testemunhos que farão parte das oitivas da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Energisa devem ser ouvidos sob sigilo – sem a presença de representantes da concessionária –, se assim for preferido, para não se sentirem de alguma forma acuados. A ponderação foi feita pelo deputado José Carlos Barbosa, o Barbosinha (DEM), em reunião na tarde de ontem (11), na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (Alems). Segundo o presidente da comissão, deputado Felipe Orro (PSDB), foram assinados alguns requerimentos, entre eles o da sigilosidade. “Nós vamos fazer uma sessão da CPI reserva, para que só os membros da comissão estejam presentes para ouvir ex-funcionários e mesmo algumas pessoas que queiram falar sem a presença de representantes da empresa”, disse ao Correio do Estado. 

Conforme os documentos aos quais o jornal teve acesso, também foi requerido ao presidente da Energisa, Marcelo Vinhais Monteiro, que apresente à comissão cópias dos balanços patrimoniais do período de 2014 a 2019. Outro requerimento foi destinado à Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos (Agepan), para que envie cópia dos convênios e termos de ajustamento realizados com a empresa alvo da CPI e também relatório explicativo das fiscalizações realizadas pela agência. Nesse relatório, deve constar o cumprimento dos investimentos que deveriam ser realizados pela empresa desde quando assumiu a concessão. 

Por fim, foi assinada a convocação do diretor-presidente da Agepan, Youssif Assis Domingos, para prestar esclarecimentos sobre as fiscalizações que são realizadas referentes à qualidade dos serviços prestados pela Energisa. Além disso, o pacote de identidade visual da campanha foi aprovado para divulgação dos serviços da CPI. Orro comentou que a procura é grande para reclamações. “Já teve [muita reclamação]. Agora que está divulgando nas mídias sociais vai ter mais ainda”, opinou. 

A respeito de as reuniões serem abertas ou fechadas, conforme apurado pelo Correio do Estado, o assunto ainda está em fase de definição sobre como será o procedimento. Dois advogados que representavam a Energisa foram barrados na porta da sala de reuniões, na tarde de ontem. De acordo com nota divulgada pela empresa, os profissionais precisaram protocolar um requerimento na comissão autorizando a participação. “A empresa esclarece que recebeu informação extraoficial, uma vez que não houve nenhum ato formalmente publicado pela Assembleia, de que a reunião da CPI designada para ocorrer hoje seria às portas fechadas e apenas convidados e autoridades previamente definidas participariam”, informou. 

Após liberação dos parlamentares, os advogados puderam participar da reunião, que contou com a participação apenas de alguns membros da comissão. A primeira reunião da CPI, em 26 de novembro, definiu Orro como presidente e o deputado Capitão Renan Contar (PSL) como relator. 

A CPI tem o prazo regimental de 120 dias para concluir as investigações e produzir um relatório com encaminhamento do que foi apurado às autoridades e aos órgãos competentes. Mas esse prazo pode ser prorrogado, havendo necessidade. Uma última reunião deve ser realizada antes do recesso da Assembleia, que começa no dia 18 e deve ir até fevereiro de 2020. 

POLÊMICA

Primeiramente, Contar pediu para que fosse criada CPI para a investigação, alegando que estava recebendo muitas reclamações de consumidores sobre o aumento abusivo da tarifa. Porém, apenas cinco deputados aderiram à proposta. Os demais não quiseram assinar, justificando que no documento faltava um fato determinado e que Contar estaria usando a ideia como palanque para se promover. O deputado é a aposta do PSL estadual, liderado pela senadora Soraya Thronicke, para concorrer à Prefeitura de Campo Grande, em 2020. A nova proposta de comissão foi apresentada por Orro e, diante das evidências apresentadas, os demais 22 deputados a assinaram, inclusive Contar.

INTEGRANTES

Compõem a comissão os deputados: Capitão Contar (PSL) e João Henrique (PL), indicados pelo bloco G-10; Renato Câmara (MDB) e Barbosinha, com indicação do G-9; e Felipe Orro, pelo PSDB. Os suplentes são, respectivamente, Antônio Vaz (Republicanos) e Evander Vendramini (PP), do G-10; Marcio Fernandes (MDB) e Eduardo Rocha (MDB), do G-9; e Marçal Filho (PSDB).

 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Bolsonaro diz que propôs mudanças em reforma administrativa e que foi atendido
EM VIAGEM À ÍNDIA

Bolsonaro diz que propôs mudanças em reforma administrativa e que foi atendido

Com maiores salários, Tribunal de Justiça poderá ter mais três desembargadores
MATO GROSSO DO SUL

Com maiores salários, Tribunal de Justiça poderá ter mais três desembargadores

REFORMA

Reformas tributária e administrativa podem ir juntas ao Congresso

Bolsonaro está com a delegação em missão na Índia
MUDANÇAS

Senado manteve em 2019 veto à propaganda partidária na TV e rádio

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião