EMPRÉSTIMOS

CPI do BNDES deve aprovar plano de trabalho nesta semana

CPI do BNDES deve aprovar plano de trabalho nesta semana
13/08/2017 16:17 - AGÊNCIA BRASIL


A comissão parlamentar de inquérito (CPI) do Senado que vai investigar empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a internacionalização de empresas brasileiras reúne-se na próxima terça-feira (15) para apresentação do seu roteiro de trabalho.

O relator da CPI, Roberto Rocha (PSB-MA), já se reuniu com técnicos e com o presidente da comissão, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para tratar do plano de trabalho, que deve ser apresentado na terça e votado na quarta-feira (16).

O plano de trabalho deve incluir os nomes das pessoas que o relator deseja ouvir e a relação de documentos que ele pretende analisar para formular o parecer. No entanto, novas oitivas e solicitações de informações podem ser aprovadas por requerimentos que forem aprovados pela comissão.

Os nomes mais esperados para depoimentos são os dos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da holding J&F e do frigorífico JBS.

O relator garante, porém, que o foco da CPI não será investigar exclusivamente essas empresas. "É uma CPI que visa a apurar irregularidades nos empréstimos concedidos a empresas nacionais para fazerem investimentos fora do Brasil. São bilhões de dólares dos brasileiros que foram usados. Ela [CPI] não é somente de uma empresa. Não é pessoal, nosso requerimento de criação é impessoal”, afirmou Rocha.

A CPI foi criada no primeiro semestre e instalada na primeira semana de agosto, após o recesso legislativo. A aprovação de um plano de trabalho e de requerimentos complementares é o primeiro passo para o início das investigações.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".