CÂMARA

CPI do BNDES derruba convocação da JBS, mas aprova a de sobrinho de Lula

A empresa é uma das maiores doadoras de campanha de parlamentares
09/09/2015 14:59 - FOLHAPRESS


Num momento de concordância entre deputados do PT e do PMDB, que vêm tendo seguidos atritos na Câmara, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do BNDES derrubou a convocação dos donos do maior grupo frigorífico do país, o JBS. A empresa é uma das maiores doadoras de campanha de parlamentares e uma das principais beneficiárias de empréstimos do banco estatal nos últimos anos.

Os requerimentos para convocar os empresários Wesley e Joesley Batista, da JBS, geraram discussão entre os deputados nesta quarta (9), e a votação teve de ser nominal. As convocações foram derrubadas por 15 votos a 9.

Foram contrários às convocações os deputados Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), André Moura (PSC-SE), Carlos Zarattini (PT-SP), Covatti Filho (PP-RS), Davidson Magalhães (PC do B-BA), Delegado Edson Moreira (PTN-MG), Diego Andrade (PSD-MG), Edio Lopes (PMDB-RR), Fábio Reis (PMDB-SE), Marcelo Squassoni (PRB-SP), Daniel Vilela (PMDB-GO), Mauro Pereira (PMDB-RS), Paulão (PT-AL), Paulo Magalhães (PSD-BA) e Reginaldo Lopes (PT-MG). A oposição votou a favor das convocações.

Em seguida, em meio a muita discussão, os deputados aprovaram a convocação de Taiguara Rodrigues dos Santos, sobrinho da primeira mulher do ex-presidente Lula e suspeito de tráfico de influência no BNDES, segundo os deputados.

A aprovação do sobrinho de Lula ocorreu após uma manobra dos deputados, que inverteram a ordem da pauta. Como a votação dos empresários da JBS havia sido nominal, a votação seguinte não pôde seguir o mesmo rito, conforme determina o regimento das CPIs.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".