PROPINA NA PETROBRAS

CPI da Petrobras poderá convocar Delcídio para depor

Marun, integrante da comissão, admitiu pedir presença do senador depois de ouvir delatores
06/07/2015 00:00 - DA REDAÇÃO


A CPI da Petrobras pode convocar o senador Delcídio do Amaral (PT/MS), líder do Governo federal no Senado, para explicar as afirmações do ex-consultor da Toyo Setal e da Camargo Correa, Júlio Gerin Camargo, na deleção premiada à Polícia Federal realizada na última terça-feira (30), na qual disse ter privilegiado alguns amigos, como “o doutor Delcídio” nas doações feitas a políticos. Em troca, o senador petista repassaria informações da estatal pela ajuda financeira.

As declarações reforçam o conteúdo de matéria do Jornal O Globo, na edição de 22 de abril deste ano, em que Camargo — que foi preso na Operação Lava Jato que investiga  corrupção na Petrobras — falou de sua ligação com Delcídio.

De acordo com a publicação, ele afirmou à época ter doado dinheiro para as campanhas do senador  em 2006 e 2010 em troca de informações relacionadas a Petrobras, os próximos projetos da empresa e, ainda ‘’informações das áreas de Minas e Energia’’.

O ex-consultor afirma ter recebido Delcídio e sua família para almoços, nos quais o senador “apresentava cenários de mercado”.

(*) A reportagem, de Clodoaldo Silva (de Brasília), está na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".