Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

fiscalização

CPI da JBS na Assembleia vai parar
no recesso parlamentar

Corrêa devolve documentos ao governo para serem digitalizados

29 JUN 17 - 05h:30DA REDAÇÃO

Nem bem começou e a CPI da JBS logo ficará paralisada durante o recesso parlamentar da Casa. Os deputados estaduais entram em recesso a partir do dia 17 de julho e retornam no dia 1º de agosto. Esses dias não serão contabilizados nos 120 do prazo total para a conclusão dos trabalhos.

“É jogo jogado. Não tem como você fazer uma CPI sem ter como funcionar a CPI. Quem está de recesso é a Assembleia Legislativa e não tem como funcionar no recesso. Quando chegar ao recesso para, conta os dias até ali”, explicou o presidente da comissão, deputado estadual Paulo Corrêa (PR).

O início da investigação também vai demorar mais. Isso porque, apesar de terem recebido as cópias dos cinco Tares (termos de acordo de regime especial) citados na delação premiada dos irmãos Wesley e Joesley Batista e as notas fiscais do secretário estadual de Fazenda (Sefaz), Márcio Monteiro, os parlamentares decidiram não abrir os documentos. 

Os integrantes da CPI que investigará irregularidades fiscais e tributárias decidiram devolver o material para a Sefaz. Eles querem os documentos digitalizados e reenviados com uma assinatura digital do secretário estadual.

*Leia reportagem, de Gabriela Couto, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

POLÍTICA

'Infieis' vão à Justiça para que possam deixar PDT e PSB sem perder mandato

Dois são absolvidos de processo que envolve Puccinelli e Amorim
JUSTIÇA FEDERAL

Dois são absolvidos de processo que envolve André

Governo envia à Assembleia Lei Orçamentária de R$ 15,8 bilhões
LOA 2020

Governo envia à Assembleia orçamento de R$ 15,8 bilhões

BRASIL

Sob pressão, Toffoli pauta julgamento de 2ª instância

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião