Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ALEMS

CPI da Energisa convoca tecnólogo que constatou erro de leitura em relógio

Deputados também pediram apoio de universidades, OAB e Ministério Público

4 DEZ 19 - 16h:44ADRIEL MATTOS

Na segunda reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Energisa, a Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul (ALEMS) convocou um tecnólogo em eletrotécnica que comprovou diferença de medição em relação a relógio instalado pela concessionária de distribuição de energia elétrica que atende 74 dos 79 municípios do estado. Outros oito requerimentos foram aprovados para dar início às investigações.

Presidente da CPI, o deputado Felipe Orro (PSDB) solicitou apoio técnico da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), da  Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), e informações a respeito de reclamações contra a Energisa registradas na Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato Grosso do Sul (Procon/MS) e na Defensoria Pública do Estado. 

Já o relator, Capitão Contar (PSL) pediu que participassem das reuniões a seccional estadual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MS) e o Ministério Público do Estado (MPMS).

PRIMEIRA REUNIÃO

Em 26 de novembro, a primeira reunião da comissão definiu Orro como presidente e Contar como relator. Compõem a Comissão os deputados: Capitão Renan Contar (PSL) e João Henrique (PL), indicados pelo bloco G-10; Renato Câmara (MDB) e Barbosinha (DEM), com indicação do G-9; e Felipe Orro, pelo PSDB. Os suplentes são, respectivamente, Antônio Vaz (Republicanos) e Evander Vendramini (PP), do G-10; Marcio Fernandes (MDB) e Eduardo Rocha (MDB), do G-9; e Marçal Filho (PSDB).

A CPI tem o prazo regimental de 120 dias para concluir as investigações e produzir um relatório com encaminhamento do que for apurado às autoridades e órgãos competentes. Mas esse prazo pode ser prorrogado, havendo necessidade.

POLÊMICA

Primeiramente Contar pediu para que fosse criada CPI para a investigação, alegando que estava recebendo muitas reclamações de consumidores sobre o aumento abusivo da tarifa. Porém, apenas cinco deputados aderiram a proposta, os demais não quiseram assinar, justificando que o documento de Contar faltava um fato determinado e que ele estaria usando a ideia como palanque para se promover.

Contar é a aposta do PSL estadual, liderado pela senadora Soraya Thronicke, para concorrer à Prefeitura de Campo Grande, em 2020. Essa questão chegou a gerar conflitos entre o candidato da senadora e o deputado Coronel David (PSL), visto que David era presidente da sigla municipal, mas foi substituído por Contar, a mando de Soraya. 

A nova proposta de comissão foi apresentada por Orro. Diante das evidências apresentadas, os demais 22 deputados assinaram a proposta, inclusive por Contar.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

POLÊMICO

Carlos Bolsonaro volta ao Twitter após período 'sabático' nas redes

Afastamento foi recomendado pelos advogados por conta dos trabalhos da CPI das Fake News
GOVERNO

Senado pode votar Pacote Anticrime ainda neste ano

Senadores tentam um acordo para conseguir votar
Melhora da economia interrompe perda de popularidade de Bolsonaro
DATAFOLHA

Melhora da economia interrompe perda de popularidade de Bolsonaro

PROJETO DE LEI

Deputado quer proibir
uso de chicote em animais

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião