Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

POLÍTICA

Com problemas de saúde, Zeca do PT deixa presidência do partido

Ele reuniu nomes da sigla para informar afastamento
21/10/2019 18:11 - YARIMA MECCHI


 

O ex-governador de Mato Grosso do Sul e ex-deputado federal, José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT, deixou a presidência do partido e vai se afastar das funções políticas para fazer um tratamento de saúde. De acordo com o deputado estadual Pedro Kemp, a agremiação fica sob responsabilidade do vereador de Coxim, Valdemir Ferreira. 

Kemp disse ao Correio do Estado que na semana passada o líder partido chamou os demais nomes da sigla para um reunião e comunicou que não concorrerá novamente para presidir a Executiva estadual do PT. “Zeca seria o nome de consenso para continuar, mas na semana passada reuniu lideranças do partido e colocou que vai fazer uma cirurgia mês que vem e preferiu não disputar a presidência e dar um tempo. Ele continua na militância, mas não quer estar mais à frente. Vai se cuidar um pouco, ele está com problema para andar. Resolver se afastar, cuidar um pouco dele e dos netos”, explicou.

Ainda conforme o parlamentar, com relação às eleições de 2020 a articulação vai ficar por conta do novo presidente estadual e na capital com o presidente Agamenon Rodrigues. Questionado se deve disputar o Executivo de Campo Grande, Kemp foi cauteloso. “O partido vai fazer discussões, meu nome sempre é lembrado, não é que eu tenho interesse, mas fico a disposição do partido. Esse ano a gente discutiu de organizar o partido, fazer filiação, com relação a prefeito ficou mais para o ano que vem”, disse.

O deputado disse ainda que mesmo sem o cargo na diretoria da agremiação, Zeca não deve ficar longe das decisões. “Ele é uma referência para todos nós do partido, é o Lula de Mato Grosso do Sul, sempre é consultado e vai continuar participando com certeza”, declarou citando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva liderança nacional do PT. 

O Correio do Estado tentou falar com o ex-governador, mas o celular está desligado e as mensagens não foram respondidas.

Felpuda


Considerados “traíras” por terem abandonado o barco diante dos indícios da chegada da borrasca à antiga liderança, alguns pré-candidatos terão de se esforçar para escapar da, digamos assim, vingança, velha conhecida da dita figurinha. Dizem por aí que há promessas nesse sentido, para que os resultados dos “vira-casacas” nas urnas sejam pífios. Sabe aquela velha máxima: “Pisa. Mas, quando eu levantar, corre!” Pois é...