Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

Com o fim da janela, três partidos deixam a Câmara

Vereadores aproveitaram calendário eleitoral para trocar de sigla e agremiações perderam representantes no legislativo municipal
04/04/2020 08:30 - Yarima Mecchi


 

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) não alterou o calendário eleitoral e os vereadores de todo o País tiveram até esta sexta-feira (3) para mudar de partido sem correr o risco de perder o mandato. Na Câmara Municipal de Campo Grande, das 15 agremiações que conseguiram uma cadeira na Casa de Leis, três perderam seus representantes.  

De 29 vereadores, nove mudaram de partido na janela eleitoral. Com a maior bancada, o PSDB começou o mandato de quatro anos com sete parlamentares. Durante o trajeto, Junior Longo deixou a sigla e seguiu com o PSB, porém, voltou para o ninho tucano. Quem também deixou a legenda, mas não deve retornar até o fim do mandato é André Salineiro.

Mais votado em 2016, sendo o preferido de 8,7 mil eleitores, Salineiro deixou o ninho tucano e cogitou-se que ele seguiria com o DEM, porém, nesta sexta-feira Salineiro informou que se filiou ao Avante. “Meus amigos, após conversas com agremiações partidárias, compartilho com vocês a decisão de filiar-me ao partido Avante por entender que se mostra o ambiente mais fértil para continuar trabalhando com a coerência que norteia minha trajetória”, disse o vereador em comunicado.  

Sem perder nenhum eleito, o MDB conseguiu filiar a vereadora Dharleng Campos, ex-PP. A crise na agremiação Progressista veiculada na imprensa desde o ano passado, entre o ex-prefeito de Campo Grande Alcides Bernal e demais integrantes, colocou em dúvida o caminho da sigla no pleito de 2020. Além de Dharleng, Valdir Gomes também deixou o PP, mas, ao contrário de sua ex-colega de bancada, Valdir seguirá com o partido do prefeito Marcos Trad, PSD.  

O PP ficou apenas com um representante na Casa, o vereador e presidente municipal do partido, Cazuza. “Sou presidente do diretório municipal dos Progressistas, reeleito para mais dois anos. Continuarei trabalhando com o partido, pois entendo que cada vez mais a população precisa que seja feita a boa política, a política que é a prática do bem comum e que tenha as pessoas como prioridade sempre”, destacou.

Com dois eleitos em 2016, o PSD seguirá para a disputa de outubro com cinco vereadores com mandato. Antes composto apenas por Chiquinho Telles e pelo Enfermeiro Fritz, a sigla filiou, além de Valdir Gomes, Otávio Trad (ex-PTB) e Odilon de Oliveira Júnior (ex-PDT).  

O PDT deixou de existir na Câmara Municipal. O partido elegeu dois vereadores em 2016, porém, além de Odilon, Ademir Santana também saiu da agremiação. Santana seguiu com o PSDB, assim como a única representante do Pros, Enfermeira Cida Amaral.  

Cida foi eleita pelo PMN, mas deixou o partido no começo do mandato e sua cadeira foi disputada na Justiça Eleitoral entre ela e o partido e agora seguirá com os tucanos. “PSDB é um partido grande, com vários quadros importantes, e tem potencial de crescer nessa eleição. É equilibrado, tem um perfil político e ideológico próximo do que acredito e, somado ao convite de pessoas muito queridas, eu não tive dúvidas de me filiar ao partido”, analisou a vereadora.

O presidente do ninho em Campo Grande, João César Mattogrosso, declarou que está satisfeito com as mudanças, mas que pretende eleger entre oito e dez vereadores. “Ficamos felizes em manter a maior bancada, nos engrandece e envaidece. Temos praticamente 1/3 da Câmara. Ficamos sentidos com a saída do Salineiro, todo partido sente quando perde um vereador, mas estamos finalizando esse processo para apresentar uma chapa ainda mais forte. Nosso objetivo é manter ou aumentar a bancada sempre. Não posso entregar menor do que peguei”, ressaltou o vereador.  

Outro partido que perdeu representante no Legislativo foi o PMN. William Maksoud deixou a agremiação e seguiu para o PTB, que também correu o risco de ficar sem representante, com a saída de Otávio Trad.  

“É com enorme satisfação que comunico meu novo partido, do qual passo a fazer parte para dar continuidade aos trabalhos em prol das nossas comunidades e por uma cidade melhor. Ontem (quinta-feira), anunciei meu desligamento do PMN e agradeço imensamente pelo apoio recebido até aqui. Hoje (sexta-feira), comunico minha filiação ao PTB, mantendo meu compromisso e esforços com os campo-grandenses”.

O avô, dr. William Maksoud, e o pai, o advogado William Maksoud Filho, também foram do partido PTB.

Felpuda


A tal estratégia de jogar informações nas redes sociais com objetivo de prejudicar adversários está começando a gerar reações. Uma dessas figurinhas vai ter de explicar, na Justiça, o por quê de postagem trazendo suspeitas pesadas contra cabeça coroada, que não gostou nadica de nada de ver o seu nome sendo usado como “bucha de canhão” para fins eleitoreiros. Vem chumbo grosso por aí! E sai debaixo!...