Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

SABATINA

Collor diz que Janot é 'catedrático em vazar informações'

Senador chegou a bater boca com procurador-geral

26 AGO 15 - 14h:20FOLHAPRESS

Mais aguardado para falar durante a sabatina do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, o senador Fernando Collor (PTB-AL) acusou o procurador de ser um "catedrático em vazar informações", fez acusações e chegou a bater boca com ele, no momento mais tenso da sessão até o momento.

"Estamos aqui diante de um catedrático em vazar informações. Vazar informações que correm sob segredo de Justiça e violar segredo de Justiça é crime previsto no código penal", disse Collor. Enquanto respondia, Janot foi interrompido por Collor e chegou a afirmar para ele: "Vossa excelência não me interrompa".

Primeiro senador a se sentar na sala da CCJ, na primeira fila, em frente a Janot, Collor começou seus questionamentos por volta das 13h. Desafeto declarado do procurador-geral, Collor foi denunciado pela PGR na semana passada, sob suspeita de se beneficiar do esquema de corrupção na Petrobras.

Acusou Janot de, mesmo sendo procurador, ter advogado para a empresa Orteng em um processo contra empresa com capital estatal. Questionou a contratação pela PGR, sem licitação, de uma empresa de comunicação por cerca de R$ 940 mil em três contratos. Acusou-o de nomear para secretário de comunicação da PGR um ex-diretor dessa empresa e de nomear uma chefe de cerimonial sem ensino superior.

Citou ainda o aluguel de um imóvel no Lago Sul, bairro nobre de Brasília, para servir à PGR e a descoberta de que o imóvel não tinha alvará de Habite-se.

Depois da sua fala, pediu a reinscrição para fazer novas perguntas ao fim da lista dos senadores inscritos, mas o pedido foi negado.
 

Janot rebateu as acusações, dizendo ser "discreto" e negando ser um "vazador contumaz", e chegou a repetir em resposta a Collor frase que havia dito no início da sua explanação. "Todos são iguais perante a lei. (...) Pau que dá em Chico, dá em Francisco".

Também comentou sobre o combate à corrupção no fim de sua resposta a Collor. "O que tem sido chamado de espetaculização da Lava Jato nada mais é que aplicação da lei", disse Janot.

O procurador-geral admitiu ter advogado para a empresa Orteng, mas disse que não houve relação com empresa de capital ligado à Petrobras e afirmou que a Constituição de 1988 permite a membros do Ministério Público exercerem a advocacia.

Reiterou que os contratos com a empresa de comunicação foram regulares e que o próprio TCU (Tribunal de Contas da União) escreveu não houve problema na nomeação do secretário de comunicação da PGR, ressaltando que ele era apenas funcionário da empresa.

Em relação à nomeação de uma chefe do cerimonial sem ensino superior, Janot ressaltou que ela tinha experiência na função, já tendo-a exercido no Planalto e no Itamaraty, e que não havia necessidade de ensino superior.

Janot afirmou que o aluguel do imóvel foi rescindido depois que a PGR descobriu que foi fornecido um Habite-se falso, determinando a abertura de investigação. O procurador-geral admitiu que foram pagos dois aluguéis, mas disse que pediram o ressarcimento.

A sabatina ocorre para a recondução do procurador-geral a um segundo mandato no cargo. Ele foi o mais votado em lista tríplice de procuradores.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Bancada é contra projeto de lei que afeta 341 mil deficientes
DEPUTADOS

Bancada é contra projeto de lei que afeta 341 mil deficientes

PDT suspende vereadores que não assinaram CPI do Ônibus
90 DIAS

PDT suspende vereadores que não assinaram CPI do Ônibus

Em MS, três deputados e um senador defendem mais verba pública nas eleições
FUNDO PARTIDÁRIO

Em MS, três deputados e um senador defendem mais verba pública nas eleições

Excesso de emendas desfigura reforma da previdência
SERVIÇO PÚBLICO

Excesso de emendas desfigura reforma da previdência

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião