Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

PODERES

Chefe do MPMS defende aumento de R$ 7,9 mil para magistrados

TJMS encaminhou para a Assembleia Legislativa um projeto de lei para reajustar em 33% os salários de juízes

9 DEZ 19 - 09h:30IZABELA JORNADA

O presidente do Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MPMS), procurador-geral de Justiça Paulo Passos, declarou que é a favor do aumento de até 33% para os 210 juízes e desembargadores do Tribunal de Justiça (TJMS). O recurso é referente a, aproximadamente, mais R$ 7,9 mil nos salários dos magistrados. “Em relação à gratificação de acervo, que o Poder Judiciário discute com a Assembleia Legislativa e que tramita lá, o projeto de lei é uma gratificação que já existe no âmbito federal”, defendeu Passos.

O procurador alegou ainda que o ConselhoNacional de Justiça (CNJ) “por reiteradas vezes tem entendido que é legal e em outros estados já existe”.

Em contrapartida, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul (Sindijus), Leonardo Lacerda, declarou que os estados autorizados pelo CNJ delimitaram que a gratificação por exercício cumulativo seriam apenas para aqueles que realmente provarem tal excesso de processos ligados a acervo externo – como de juizados adjuntos, atuação em turma recursal, substituição em outras varas –, casos em que o TJ já paga indenizações. “Agora, que atuação de outros acervos um desembargador tem?”, indagou.

Porém, Passos afirmou que a decisão é da Assembleia Legislativa com o Poder Judiciário. “O valor não implica em aumento porque ele está limitado ao teto constitucional. Portanto, tem de respeitar o teto, não é uma coisa que vai se somar a outras gratificações, a outras indenizações. É uma questão que deve ser apreciada dentro da legalidade e dentro da independência do Poder Legislativo”, disse Passos.

Na quarta-feira, o projeto de lei, que foi encaminhado pelo TJ à Assembleia, recebeu emenda do deputado Rinaldo Modesto (PSDB). O parlamentar propôs baixar a gratificação para 20%. 

A proposta foi aprovada em primeira votação. Quando foi encaminhada para ser apreciada em segunda votação, o deputado Felipe Orro (PSDB) pediu vista. O projeto voltou para as comissões. Na sessão do dia 4, ele seria votado, porém, o deputado Marçal Filho (PSDB) pediu tempo para declarar o relatório da Comissão de Obras e a matéria poderá ser votada amanhã.

A proposta poderia ter sido votada no dia 4, após o pedido de vista de Orro. O deputado João Henrique Catan (PL), integrante da Comissão de Finanças, leu relatório em plenário e deputados foram unânimes. Porém, Marçal não quis fazer o mesmo e pediu para rever o projeto antes de encaminhar para a votação. 

O presidente do Sindijus declarou que muitos deputados “vêm falando que eles devem receber por atuar em outras varas, quando, na verdade, isso seria substituição – que já é paga – e não acúmulo do próprio acervo”, rebateu.

OUTRAS INSTITUIÇÕES

A Associação de Magistrados de Mato Grosso do Sul (Amamsul), em nota, afirmou que a gratificação não é uma inovação do TJMS e já é paga a juízes federais e juízes do trabalho de todo o País, além de juízes de tribunais de Justiça de vários outros estados.

O presidente da Amamsul, Eduardo Siravegna, que assinou a nota, afirmou que o porcentual de reajuste não passará de 16%. Segundo ele, o valor da gratificação, embora siga o mesmo parâmetro da legislação federal no limite de 1/3 do valor do subsídio, será fixado em 1/6, aproximadamente 16%. Este valor, somado aos vencimentos de cada magistrado, não poderá superar o teto constitucional correspondente ao subsídio dos ministros do STF, de R$ 39,2 mil.

O presidente do Sindijus alegou em resposta que “de fato, a lei prevê a gratificação de 16,66% a todos os juízes e a aplicação do teto constitucional. Contudo, continua sendo absurdo aumentar ainda mais a remuneração da magistratura, que foi reajustada em 16% há um ano, e passar a pagar o mesmo que é pago a ministros do STF, com impacto de R$1 milhão por mês (R$ 12 milhões ao ano), neste momento em que o Tribunal vem alegando falta de verbas para cumprir a lei, repor servidores e nomear mais juízes, cortando gastos essenciais para o funcionamento da Justiça. A população e os servidores não aguentam mais essa gastança, ainda mais com a falta de explicação quanto a pagamentos retroativos milionários”, finalizou.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

REFORMA

Reformas tributária e administrativa podem ir juntas ao Congresso

Bolsonaro está com a delegação em missão na Índia
MUDANÇAS

Senado manteve em 2019 veto à propaganda partidária na TV e rádio

Maia quer instalação de comissão da reforma tributária na primeira semana de fevereiro
BRASÍLIA

Maia quer instalação de comissão da reforma tributária na 1ª semana de fevereiro

De segurança pública, Moro não entende nada, diz governador do DF
ENTREVISTA

De segurança pública, Moro não entende nada, diz governador do DF

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião