Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sacado

Cármen Lúcia rejeita pedido de
deputado para voltar à CCJ

11 JUL 17 - 21h:00FOLHAPRESS

A ministra Cármen Lúcia, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), rejeitou pedido do deputado federal Delegado Waldir (PR-GO) para reverter as mudanças na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) promovidas pelos partidos da base com o objetivo de barrar a denúncia contra o presidente Michel Temer por corrupção passiva.

Para ela, a composição da comissão, incluindo a mudança dos integrantes, é uma questão interna da Câmara e não cabe ao Supremo decidir como os deputados devem se organizar.

"Não compete ao poder Judiciário, por mais que se pretenda estender suas competências constitucionais, analisar o mérito de ato político conferido à autonomia de outro poder estatal, como é o descrito na presente ação", escreveu a ministra.

O deputado foi substituído pelo seu partido na segunda (10) e nesta terça foi ao Supremo contestar a decisão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que autorizou a troca na comissão, e contra a liderança do seu partido, que o tirou da vaga.

Para o Delegado Waldir, seu desligamento da CCJ se deu por causa de sua posição pessoal no assunto, em favor da admissibilidade de instauração da denúncia contra o presidente.

A atitude, segundo o ele, se configura em ato abusivo e ilegal, e a "a prerrogativa do líder partidário de indicar e substituir os membros das comissões não poderia ser exercida de forma absoluta".

Ele acrescentou que o Código de Ética da Câmara "teria disposição a restringir as hipóteses de alteração de seus integrantes e, com isso, assegurar-lhes estabilidade, independência e imparcialidade, o que deveria se estender aos componentes das comissões".

Cármen Lúcia está de plantão durante o recesso do judiciário, e cabe a ela decidir sobre questões urgentes.
Na decisão, a ministra afirmou que o mandado de segurança não pode ser processado no Supremo e destacou que as comissões são formadas pela representativa de cada partido, cujos integrantes são indicados pelas lideranças das legendas.

"Não há valoração da vontade do presidente [Rodrigo Maia], apenas atendimento a um comando normativo interno da Casa Legislativa que a ele atribui tal competência", disse Cármen Lúcia.

Ao ser excluído da comissão, o deputado Delegado Waldir chamou Temer de "bandido" e o PR de "vendido".
Levantamento da Folha de S.Paulo indica que a base governista remanejou na última semana nada menos que 20 dos membros do colegiado, que tem 66 titulares e 66 suplentes.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Comissão do Senado aprova prisão após condenação em segunda instância
BRASÍLIA

Comissão do Senado aprova prisão após condenação em 2ª instância

Sem resistência popular, deputados aprovam reforma da previdência
1ª DISCUSSÃO

Sem resistência popular, reforma da previdência é aprovada

Deputados ignoram protestos e aprovam aumento no Judiciário
20%

Deputados ignoram protestos e aprovam aumento dos juízes

"Uma pirralha", diz Bolsonaro sobre Greta Thunberg
CRÍTICA

"Uma pirralha", diz Bolsonaro sobre Greta

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião