Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASIL

Bolsonaro agora diz que há problema alimentar e apenas 'pequena parte passa fome'

Bolsonaro agora diz que há problema alimentar e apenas 'pequena parte passa fome'
19/07/2019 14:47 - ESTADÃO CONTEÚDO


Após ter dito que não existe fome no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro afirmou não saber por que uma "pequena parte" da população passa fome e por que "outros passam mal ainda". 

"Olha, o brasileiro come mal. Alguns passam fome. Agora, é inaceitável um país tão rico como o nosso, com terras agricultáveis, água em abundância, até o semiárido nordestino tem uma precipitação pluviométrica maior do que Israel. E falei também na questão das Pequenas Centrais Hidrelétricas. Você leva dez anos para conseguir uma licença. E qualquer hectare de água produz de 10 a 15 toneladas de tilápia por ano. Então, um país aqui que a gente não sabe por que pequena parte passa fome e outros passam mal ainda", afirmou. 

Mais cedo, em uma entrevista a jornalistas estrangeiros, Bolsonaro disse que "falar que se passa fome no Brasil é uma grande mentira". "Passa-se mal, não se come bem. Aí eu concordo. Agora, passar fome, não", disse. 

Questionado sobre se estava voltando atrás na declaração inicial, o presidente ficou irritado e disse aos jornalistas que "não via nenhum magro". "Ah, pelo amor de Deus, se for pra entrar em detalhe, em filigrana, eu vou embora. Eu não tô vendo nenhum magro aqui, tá certo? Temos problema alimentar no Brasil? Temos, não é culpa minha, vem de trás, estamos tentando resolver", disse. 

Bolsonaro afirmou ainda que o que "tira o homem e a mulher da miséria é o conhecimento". "Não são bolsas e programas assistencialistas. Nós temos que lutar nesse sentido, nessa linha, para dar dignidade ao homem e à mulher brasileira", afirmou.

Felpuda


Tudo indica que o MDB não conseguiu convencer o PSDB de iniciar namoro com vistas a casamento nas eleições, e a ideia teria sido descartada. Os tucanos demonstraram que o problema deles não é o cargo: os emedebistas ofereceram a vaga de vice na disputa à Prefeitura de Campo Grande, a mesma cobiçada pelos tucanos, mas na chapa do PSB do atual prefeito. A questão, politicamente falando, seria, digamos, o oferecido “noivo”. Afe!