Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

LAMA ASFÁLTICA

BNDES bancou compra do jatinho “Cheio de Charme”

Mil Tec Informática, herdeira de contratos da Itel, opera avião financiado a juros módicos; Taurus também tem jatinho na lista

21 AGO 19 - 06h:30EDUARDO MIRANDA

O Embraer Phenon 100, adquirido em 2011 pela Itel Informática, atualmente em nome da Mil Tec, e conhecido carinhosamente pelos políticos e empresários investigados na Operação Lama Asfáltica pelo apelido “Cheio de Charme”, é um dos aviões que estão na lista dos jatinhos financiados a juros módicos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) nesta década. O aparelho custou R$ 6,4 milhões, financiado a uma taxa anual fixa de 6,5% ao ano. 

A outra aeronave que contou com o apoio do BNDES para ser comprada por uma empresa de Mato Grosso do Sul é também da Embraer e do mesmo modelo, Phenon 100, pertencente à Taurus Distribuidora de Petróleo. Adquirido em 2013, este jatinho custou um pouco menos, R$ 4 milhões, mas teve uma taxa de juros ainda mais generosa: 3,5% ao ano. A empresa pertence a Jorge Luiz Zenatti. 

TURBULÊNCIA

O “Cheio de Charme” ganhou notoriedade em 2014, quando foi deflagrada a Operação Lama Asfáltica da Polícia Federal. O avião, na época em nome da Itel Informática, pertencente ao empresário João Baird, foi meio de transporte de empresários e políticos, entre eles, o ex-governador André Puccinelli, o ex-deputado federal Edson Girotto e o empreiteiro, dono da Proteco, João Amorim. 

A Mil Tec, atual operadora do “Cheio de Charme”, herdou parte dos contratos que a Itel mantinha com o governo de Mato Grosso do Sul e a Prefeitura de Campo Grande. Além dela, outra empresa, a PSG Informática, também substituiu o império que já foi da extinta Itel. O que as duas novas empresas têm em comum é que, assim como a Itel, de João Baird, elas também continuaram sendo investigadas pela Polícia Federal. 

O jatinho “Cheio de Charme” teve sua operação prejudicada por causa de outro tipo de operação, no caso a Lama Asfáltica. Em consulta ao sistema de aeronaves da Agência de Aviação Civil (Anac), o Phenon 100, que já carregou vários políticos de Mato Grosso do Sul, encontra-se com o certificado de aeronavegabilidade suspenso e “indisponível”, por motivos de alienação fiduciária. O verdadeiro proprietário do avião é o Banco do Brasil, instituição que ajudou na operação financiada pelo também público BNDES. 

HUCK E DORIA

Com a justificativa de que pretende ser mais transparente, o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) divulgou, na noite de segunda-feira (19), uma lista de 134 compradores de jatinhos da Embraer que contrataram financiamento no período de 2009 a 2014, durante o governo petista. Entre eles, está o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que, por meio da Doria Administração de Bens, financiou uma aeronave de R$ 44 milhões em 2010.

A lista inclui também R$ 17 milhões liberados para empresa do apresentador de TV Luciano Huck, a Brisair, em 2010, e mais R$ 39,7 milhões, em 2009, para a JBS, denunciada na Operação Lava Jato, da Polícia Federal. O maior valor, de R$ 77 milhões, foi contratado em 2013 pela CB Air Taxi Aéreo, do empresário Michael Klein, das Casas Bahia. Em seguida, aparece a Brasil Warrant Administradora de Bens, que em 2013 financiou R$ 75,5 milhões. Essa empresa, uma das sócias da Alpargatas e atuante no segmento agropecuário, pertence à família Moreira Salles, sócia do banco Itaú Unibanco.

Com a divulgação da lista, o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, cumpre promessa feita pelo presidente Jair Bolsonaro, na quinta-feira (15), em transmissão ao vivo nas redes sociais. O presidente disse que revelaria quem comprou jatinhos com recursos do banco estatal, ao “abrir a caixa-preta” da instituição. “O anúncio vai expor gente que está dizendo que estamos no último capítulo do fracasso”, disse o presidente, numa referência a Huck, que, um dia antes, durante um debate em Vila Velha (ES), usou essas palavras para criticar o governo federal.

Em nota divulgada em seu site, o BNDES destacou que a linha de crédito para a compra de jatinhos da Embraer foi criada em 2009, como parte do Programa de Sustentação do Investimento (PSI). Nessa linha, eram cobrados juros inferiores à taxa básica de juros, a Selic – de 2,5% ao ano a 8,7% ao ano.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Comissão do Senado aprova prisão após condenação em segunda instância
BRASÍLIA

Comissão do Senado aprova prisão após condenação em 2ª instância

Sem resistência popular, deputados aprovam reforma da previdência
1ª DISCUSSÃO

Sem resistência popular, reforma da previdência é aprovada

Deputados ignoram protestos e aprovam aumento no Judiciário
20%

Deputados ignoram protestos e aprovam aumento dos juízes

"Uma pirralha", diz Bolsonaro sobre Greta Thunberg
CRÍTICA

"Uma pirralha", diz Bolsonaro sobre Greta

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião