Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 24 de setembro de 2018

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Deputados derrubam veto e forçam
lei que obriga UTI ter dentista

Até base aliada do governador votou contra o veto

14 MAR 2018Por MARESSA MENDONÇA E IZABELA JORNADA12h:59

Por 18 votos, o veto total do Executivo ao projeto de lei que obriga Unidades de Terapia Intensiva em Mato Grosso do Sul a terem um profissional de odontologia foi derrubado pelos deputados estaduais na sessão desta quarta-feira (14). Projeto é do deputado Lídio Lopes (PEN)

Até a base aliada do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) acompanhou a maioria dos parlamentares na decisão. Segundo eles, este é um momento “inédito” na Casa de Leis.

Os deputados explicaram ser raro o momento em que parlamentares filiados ao mesmo partido do chefe do Executivo votam pela derrubada do veto e detalharam o processo que levou até esta decisão.

Segundo Beto Pereira (PSDB), depois de o projeto ter recebido parecer favorável da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR)  e ser aprovado pelos deputados, acabou sendo totalmente vetado pelo governador.

Na ocasião, Mara Caseiro (PSDB) pediu para se reunir com Azambuja e, segundo Beto Pereira, conseguiu convencê-lo sobre a importância do projeto.

Em ocasião anterior, o presidente da Comissão de Odontologia Hospitalar, Mario Eduardo Baldo, explicou que, a presença de dentistas nas UTIs resulta em economia.  “Uma bactéria da boca pode ser inalada e se tornar um pneumonia, que, às vezes, só consegue ser tratada por um remédio que custa R$ 1,5 mil por três doses ao dia”.

Ele estima economia de R$ 40 mil por paciente. “Sem contar que se tornam menos demandas por profissionais de várias áreas. Exemplo de um cardiologista que precisa ser chamado quando uma bactéria da boca migra ao coração”, detalhou.

O deputado Paulo Siufi (MDB) completou ser um projeto importante porque vai viabilizar mais leitos internação. Ele disse isto analisando o aumento do tempo de internação de um paciente  que teve piora no quadro de saúde em decorrência de problemas bucais.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também