Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 17 de novembro de 2018

chamado às pressas

Azambuja discute com PSDB
apoio ou não a Michel Temer

Vice-governadora confirmou convocação de urgência

10 JUL 2017Por RODOLFO CÉSAR E NATALIA YAHN16h:28

O governador Reinaldo Azambuja cancelou as agendas que estavam previstas para hoje e viajou a São Paulo para participar de reunião da cúpula do PSDB. O partido deve avaliar no encontro, marcado para acontecer no Palácio dos Bandeirantes, residência oficial do governador de São Paulo, às 18h30 (horário de MS) se vai permanecer ou não no apoio ao presidente Michel Temer.

O encontro foi marcado no dia que a Comissão de Constituição de Justiça da Câmara (CCJ) começa a analisar a denúncia contra o presidente. O relator, deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), deu parecer favorável à denúncia.

A vice-governadora, Rose Modesto, foi quem assumiu interinamente e participou hoje à tarde de agenda na Fundação de Turismo do Estado (Fundtur), no Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande. O evento foi feito para que houvesse a assinatura do contrato para realização do Rally dos Sertões no Estado, entre os dias 20 e 26 de agosto.

Segundo ela, essa convocação de urgência vai contribuir para que os tucanos alinhem posicionamento. Ela confirmou que há uma ala que defende a saída da base, enquanto outros preferem a votação das reformas para depois darem posicionamento.

"Vai ser feita uma análise do momento todo. Vão se reunir para entrar em um consenso", explicou Rose Modesto, que preferiu não dar posicionamento sobre apoio ou saída da base do presidente Michel Temer. Ela também não comentou qual é a opinião do governador.

Quem vem articulando essa reunião é Geraldo Alckmin, governador de São Paulo. A assessoria dele não confirmou o encontro ao site G1. Ele vem articulando nos bastidores para ganhar força no partido.

"A reunião não é para decidir se deixa ou não o governo. Isso só quem pode fazer é a executiva do partido. É uma reunião de conversa, conversa entre a direção partidária, governadores, líderes. Não será tomada nenhuma decisão. É apenas uma avaliação. Nós precisamos nos preocupar com a população brasileira, com o Brasil. Colocar a lealdade ao país e ao povo brasileiro acima de qualquer outra coisa", disse Geraldo Alckmin em agenda que participou no interior de São Paulo, hoje.

Estão previstas as presenças nessa reunião do presidente interino do partido, o senador Tasso Jereissati, e o prefeito de São Paulo, João Doria. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso também estará na reunião, conforme divulgou o G1.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também