Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ELEIÇÃO SUPLEMENTAR

Após cassação, Miranda terá nova eleição para prefeito em outubro

Prefeita e vice tiveram mandatos cassados por compra de votos

22 AGO 19 - 16h:18GLAUCEA VACCARI

Após a cassação da prefeita de Miranda, Marlene Bossay (MDB), e do vice, Adailton Rojo Alves, o Município terá nova eleição no dia 6 de outubro deste ano, para escolher os novos administradores. Data foi definida hoje (22) pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul (TRE/MS).

Resolução expedida pelo desembargador Divoncir Schreiner Maran, presidente em exercício do TRE, aprova instruções para a eleição suplementar, o calendário eleitoria e prevê que, já a partir de segunda-feira (26), será permitida a realização de convenções destinadas a deliberar sobre coligações e escolher candidatos aos cargos em disputa.

Marlene de Matos Bossay, Adailton Rojo Alves  e o vereador Ivan Bossay, eleitos em 2016, tiveram seus diplomas cassados logo após o pleito, por decisão do juiz eleitoral Alexsandro Motta, da 15ª Zona Eleitoral, em razão de prática de captação ilícita de sufrágio e de abuso de poder econômico, mediante compra de votos na Aldeia Lalima, de Miranda.

Desde a decisão, a então prefeito veio recorrendo da sentença e, no dia 22 de abril deste ano, o TRE confirmou a cassação do mandato e foram ajuizados, ainda pelos afastados, dois embargos de declaração contra a decisão proferida no recurso eleitoral, tendo o Tribunal rejeitado e considerado meramente protelatórios os embargos de declaração opostos pela segunda vez.

Procuradoria Regional Eleitoral apresentou pedido de providências à execução imediata da decisão de afastamento de Marlene Bossay, Adailton Alves e o vereador Ivan Bossay, que foi expedido na última segunda-feira (19). Foi determinado ainda que o presidente da Câmara Municipal, vereador Edson Moraes de Souza (PDT), assumisse o cargo até a posse dos novos eleitos. 

COMPRA DE VOTOS

Durante a campanha de 2016 o filho da prefeita, Alexandre Bossay, foi flagrado e preso quando entregava cestas básicas na aldeia Lalima, em Miranda. Nas investigações, foram encontrados, ainda, tickets em postos de combustíveis, que teriam sido repassados a eleitores.

O filho da prefeita também é acusado de comprar votos de jovens por meio de depósito bancario.

Essa compra foi comprovada por meio de conversas em aplicativo de mensagens no celular entre o filho da prefeita e o jovem que recebeu o dinheiro. Bossay inclusive enviou foto do comprovante do depósito feito ao rapaz e frisou o nome da mãe e do irmão para serem votados.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Simone critica projeto de reforma partidária e diz que votará contra
POLÊMICA

Simone critica projeto de reforma partidária e diz que votará contra

Dinheiro público poderá pagar advogado de acusado de corrupção
COBRE SEU SENADOR

Dinheiro público poderá pagar advogado de acusado de corrupção

Prefeito avalia que demorou para organizar cidade
CAPITAL

Prefeito avalia que demorou para organizar cidade

SENADO

Projeto que afrouxa regras para partidos pode ser votado hoje

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião