Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

política

Aliado de Olarte tem papel fundamental em comissão que pode cassar prefeito

Comissão tem Paulo Siufi como relator, João Rocha como presidente e Chiquinho Teles

13 AGO 15 - 15h:05Glaucea Vaccari

Vereador da base aliada de Gilmar Olarte (PP), Paulo Siufi (PMDB) será relator da Comissão Processante que pode cassar o mandato do prefeito. Além de Siufi, compõem a comissão os vereadores Professor João Rocha (PSDB), ex-líder do prefeito na Câmara, como presidente e Chiquinho Teles (PSD).

O papel do relator é considerado fundamental, pois é de sua responsabilidade elaborar um parecer que será submetido a discussão e votação e, se for aprovado, torna-se o parecer da Comissão.

A definição da composição foi definida por sorteio. Os vereadores Gilmar da Cruz (PRTB), Magali Picarelli (PMDB), Chocolate (PP) e Betinho (PRB) também foram sorteados em plenário, mas optaram por não fazer parte da comissão. Marcos Alex (PT), Thais Helena (PT) e Luiza Ribeiro (PPS) não participaram do sorteio por serem autores do requerimento.

A Comissão Processante foi aberta nesta quinta-feira (13), com 29 votos favoráveis e nenhum contrário. Em Plenário, os vereadores decidiram, por 17 votos a 11, desmembrar seis itens imputados ao prefeito, sendo eles:

1. Ser réu em ação penal que apura corrupção passiva e lavagem de dinheiro;
2. Utilização indevida do avião particular da Itel;
3. Descumprimento da Lei Municipal 5411/2014 (Piso do Magistério);
4. Reiterada inobservância da Lei da Ficha Limpa;
5. Excesso de nomeação de cargos comissionados;
6. Ausência da publicação do relatório resumido da execução orçamentária do primeiro bimestre de 2015.

Somente foi aprovado, por unanimidade, que a Comissão Processante investigue o item 1. Os outros cinco itens foram negados e não serão investigados.

TRABALHOS

O presidente da Processante deve iniciar o trabalho dentro de cinco dias, notificando o prefeito para que, no prazo de 10 dias, apresente defesa prévia por escrito, indique provas que pretende produzir e relacione o máximo de 10 testemunhas.

Passado o prazo para defesa, a Comissão deve emitir um parecer dentro de cinco dias, opinando pelo prosseguimento ou arquivamento da denúncia, o qual, neste caso, será submetido ao Plenário.

Se a Comissão opinar pelo prosseguimento, o início das instruções determinará os atos necessários para depoimento de Olarte e testemunhas. Concluída a instrução, será aberta a comissão emitirá um parecer final, pela procedência ou improcedência da acusação e solicitará ao presidente da Câmara a convocação para a sessão de julgamento.

No julgamento, o denunciado ou seu procurador terá o prazo de até duas horas para apresentar defesa oral. Em seguida, serão realizadas votações nominais. O prefeito será considerado afastado definitivamente do cargo se for declarado pelo voto de dois terços dos integrantes da Câmara. Se o resultado for absolutório, o presidente determinará o arquivamento do processo.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Bolsonaro quer definir porte de arma e posse rural ampliada

BRASIL

Perfil em jornal japonês cita fala de Bolsonaro de que seu cargo é missão de Deus

BRASIL

Relator do abuso de autoridade no Senado flexibiliza texto após críticas

BRASIL

Autor de projeto sobre armas em área rural no Senado critica proposta do governo

Mais Lidas