Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

POLÍTICA

Advogado Kakay critica delações na Lava Jato

"Eu não advogo para quem delata, até porque ele [Alberto Youssef] ia delatar 50 clientes meus"

9 AGO 15 - 03h:00FOLHAPRESS

"Eu não advogo para quem delata, até porque ele [Alberto Youssef] ia delatar 50 clientes meus", brincou o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, sobre os motivos pelos quais deixou a defesa de um dos principais réus da Operação Lava Jato. A plateia caiu na risada.

Era uma apresentação sobre delações premiadas na Casa do Saber, empreendimento educacional em São Paulo.

O criminalista, responsável pelas defesas de quatro políticos investigados na Lava Jato, criticou a maneira com que as colaborações vêm sendo feitas.

Kakay não poupou colegas de profissão das críticas: direcionou ataques à também advogada Beatriz Catta Preta, que, até fechar seu escritório e abandonar os processos da Lava Jato, era responsável por nove acordos de delação.

Apesar de criticar a convocação de Catta Preta para depor na CPI da Petrobras, o advogado disse que a reação da colega ­a quem chama de 'caixa preta'­ 'não honra a profissão'. Logo antes, havia dito que advogados não podem "se acovardar".

"Essa senhora é uma especialista em delação premiada. Onde está a advocacia nisso?", provocou.

Na visão de Kakay, uma aplicação correta da delação é a do ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco, que não estava preso quando fechou o acordo de colaboração e se comprometeu a devolver US$ 97 milhões depositados no exterior. Outros acertos, no entender do criminalista, são forçados, não voluntários.

"Forçam a prisão para se chegar à delação", disse, alinhado a diversos outros advogados que atuam nos casos.

De acordo com o defensor, o doleiro Alberto Youssef teria até recebido um ultimato para desistir de pedido de liberdade provisória e preservar as negociações de sua delação.

Conhecido por ter defendido, com sucesso, o publicitário Duda Mendonça no julgamento do mensalão, Kakay também atacou as ações penais que foram levadas aos holofotes: "O Judiciário não precisa desses processos espetaculares. É preciso fazer essa espetacularização?"

Na Lava Jato, Kakay representa a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney (PMDB) e os senadores Ciro Nogueira (PP-PI), Romero Jucá (PMDB/RR) e Edison Lobão (PMDB-MA), que é ex-ministro de Minas e Energia.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Com 152 emendas, relatório <br>da LDO chega à Câmara
CAMPO GRANDE

Com 152 emendas, relatório
da LDO chega à Câmara

BRASIL

Bolsonaro fala em privatizar Correios, mas diz que medida passa pelo Congresso

BRASIL

PF descobre 'grupo de inteligência' que vazava informações secretas de operações

BRASIL

CCJ aprova projeto que prioriza vítimas de desastres no Cartão Reforma

Mais Lidas