FUGA EM MASSA

Rodoviárias têm fiscalização reforçada após fuga de detentos do Paraguai

Equipes do Choque e do Bope da Capital foram para fronteira a fim de ajudar nas buscas
19/01/2020 18:19 - ADRIEL MATTOS


 

Além de reforçar o efetivo policial que patrulha a fronteira com o Paraguai, a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) de Mato Grosso do Sul aumentou a fiscalização nos terminais rodoviários de Dourados e Nova Alvorada do Sul após a fuga de mais de 70 detentos na madrugada deste domingo (19) da penitenciária de Pedro Juan Caballero, cidade vizinha a Ponta Porã.

“São localidades com terminais rodoviários que dão acesso a rotas interestaduais. Então estamos fiscalizando quem está embarcando para outros estados”, disse o titular da Sejusp, Antônio Carlos Videira.

Os efetivos da Polícia Militar (PM) e Batalhão de Polícia Militar Rodoviária (BPMRv), Polícia Civil e Departamento de Operações de Fronteiras (DOF) também foram reforçados. Equipes do Batalhão de Choque e do Batalhão de Operações Especiais (Bope) de Campo Grande foram enviadas para região para ajudar nas buscas.

A FUGA

Na madrugada deste domingo (19), 75 presos, maioria deles ligada à organização Primeiro Comando da Capital, fugiram da penitenciária paraguaia. Eles cavaram túnel de 25 metros de extensão para escapar da prisão. 

Forças de segurança federais e estaduais estão mobilizadas do lado brasileiro da fronteira. Várias caminhonetes foram encontradas queimadas na BR-463, entre Ponta Porã e Dourados. 

A maioria dos fugitivos do presídio paraguaio tem nacionalidade brasileira. A ministra da Justiça paraguaia, Cecilia Pérez, acredita que os criminosos corromperam os agentes penitenciários do Paraguai.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".