Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ESTADO GRAVE

Policial é afastado por espancar adolescente de 13 anos

PM abriu procedimento administrativo para investigar o caso, que também é acompanhado pela OAB

28 OUT 19 - 16h:57GLAUCEA VACCARI

Cabo da Polícia Militar, Fabiano Timóteo, suspeito de espancar um adolescente de 13 anos, foi afastado do serviço operacional e a PM abriu processo administrativo para investigar o caso, que também é investigado pela Polícia Civil. Agressão aconteceu na semana passada, em Coxim, e adolescente continua internado na Santa Casa de Campo Grande. Nesta segunda-feira (28), Ordem dos Advogados do Brasil, seccional de Mato Grosso do Sul, manifestou repúdio diante do ato praticado pelo policial e informou que o caso será acompanhado pela entidade.

Caso aconteceu na última quinta-feira (24). Tia do adolescente, Patrícia Neri da Silva, 40 anos, denunciou que estava sentada no quintal de casa, quando ouviu gritos e, ao sair para saber o que estava acontecendo, viu o menino sendo espancado pelo policial. Segundo ela, a agressão teria ocorrido porque, durante brincadeira com outros meninos na rua, uma pedra atingiu o portão da casa da mãe do cabo.

Por conta dos socos, o adolescente teve diversos ferimentos e lesões por todo o corpo. Patrícia afirma que o sobrinho nasceu com um dos rins paralisados e as pancadas desferidas pelo policiais teriam lesionado o outro rim.

“Foi um desespero. Presenciei meu sobrinho sendo surrado. A cena não sai da minha cabeça, ele pedia para o agressor parar e avisava que só tinha um rim”, relembrou a tia, acrescentando que as agressões só pararam quando o menino, caído na calçada, começou a vomitar.

Adolescente teve hemorragia e foi encaminhado para o Hospital Álvaro Fontoura, mas devido a gravidade do quadro, foi transferido no sistema vaga zero para a Santa Casa de Campo Grande, onde permanece internado.

Policial não se manifestou sobre o caso, mas teria dito a terceiros que o menino teria pulado o muro de sua residência

O comando do 5º Batalhão da Polícia Militar afastou o cabo do serviço operacional e a PM abriu procedimento para investigar o caso. Comandante da PM de Coxim, Major Luiz Cesar Herculano disse hoje ao site Edição de Notícias que a instituição não compactua com a violência.

OAB ACOMPANHA

Também nesta segunda-feira, a Subseção de Coxim e a Comissão de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente da OAB/MS manifestou repúdio as agressões e informou que acompanhará o caso.

Em nota, a seccional afirma que a Constituição Federal e o Estatuto da Criança e do Adolescente asseguram que é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar os direitos das crianças e adolescentes e mantê-los a salvo “de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão”.

“Os atos de violência, físico ou mental, merecem pronta resposta, não apenas do Estado, que possui o dever de investigar e punir, mas também dos representantes da PM de Coxim”, diz a OAB em nota.

Reunião foi realizada hoje entre a presidente da Subseção, Valéria Ferreira de Araújo, e o major PM Luiz César de Souza Herculano, onde ele afirmou que a corporação também condena a atitude, enquanto a OAB reitera que espera que todas as medidas legais cabíveis sejam adotadas.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Apreensão de cocaína pela Receita bate recorde em 2019
QUASE 50 TONELADAS

Apreensão de cocaína pela Receita bate recorde em 2019

Roubos em vias públicas caem 21,1% em MS, diz Sejusp
CRIMES EM QUEDA

Roubos em vias públicas caem 21,1%, diz Sejusp

Estado coleta amostras para abastecer banco de material genético de criminosos
SEGURANÇA PÚBLICA

Estado coleta amostras para abastecer banco de material genético de criminosos

Juiz e advogados trocam farpas sobre Lei de Abuso de Autoridade
MILÍCIA ARMADA

Juiz e advogados trocam farpas sobre Lei de Abuso de Autoridade

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião