Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

BRASIL

'Desafio é tornar permanentes as quedas nos índices de criminalidade', diz Moro

11 OUT 19 - 13h:55ESTADÃO CONTEÚDO

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, voltou a defender o recuo nos crimes ocorridos no Brasil desde o início da sua gestão, citando estatísticas oficiais que revelam queda "significativa" entre os principais tipos de ações criminosas. "Crime cresceu nos últimos 20 anos mesmo em períodos de boa situação econômica. Impunidade segue sendo um grande problema. Grande desafio é tornar permanentes as quedas nos índices de criminalidade. Os números remanescentes ainda são muito ruins", ponderou Moro.

As declarações foram feitas em painel de abertura no segundo dia do Fórum de Investimentos Brasil 2019. O evento, realizado em São Paulo, é organizado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex).

O ministro atribuiu a queda na criminalidade a uma série de iniciativas tomadas pelo governo federal, entre eles a criação do banco nacional de perfis genéticos. "O banco genético servirá para cruzamento de dados nas investigações de crimes. Não é uma invenção tupiniquim. Estados Unidos têm banco de dados com cerca de 12 milhões de perfis. No Reino Unido, são 6 milhões", argumentou Moro.

O ex-juiz também defendeu uma atuação mais presente do governo federal junto aos entes estaduais no combate à criminalidade. "O governo federal não pode ignorar criminalidade na rua, que é responsabilidade da Polícia Militar. Estamos montando força tarefa federal, estadual e municipal em cidades mais violentas", observou o ministro.

Fim da Lava Jato

O ministro da Justiça admitiu que a Lava Jato acabará em algum momento, porque tem "começo, meio e fim" e "nada dura para sempre". Para ele, o que está em jogo não é a operação em si, mas, sim, o combate à corrupção como um todo, que, na sua visão, tem de ser tratado como uma questão institucional, uma missão do País, e não de uma de uma força-tarefa. "Meu trabalho na Lava Jato acabou, mas permaneço firme nas minhas crenças", disse.

A declaração de Moro foi dada no fórum, após o tema ser levantado por um participante da plateia. Moro falava sobre iniciativa para o combate aos crimes cibernéticos, quando uma pessoa perguntou em voz alta: "e a Lava Jato?". Moro acenou para que a pessoa aguardasse um pouco e, alguns minutos depois, o ministro começou a falar sobre a operação, embora já tivesse feito alguns comentários sobre o tema durante o seu discurso.

"Existem grandes desafios que são permanentes, tanto no avanço contra a corrupção como contra a criminalidade. (Podem achar) que não é tarefa do governo federal, que cabe à Lava Jato, mas temos de avançar de forma institucional, como País, contra a corrupção, contra a criminalidade, que ajuda no ambiente de negócios", afirmou o ministro.

Moro, então, começou a discorrer sobre direitos humanos, mas, de repente, voltou a falar sobre a Lava Jato, ao afirmar que "precisamos resgatar a autoestima dos brasileiros". Ele já havia dito no seu discurso que as conquistas da Lava Jato foram boas para resgatar a autoestima do brasileiro. Dessa vez, ele contou de uma pessoa que o encontrou na rua e disse que estava desiludido, mas que a Lava Jato o fez recuperar sua autoestima.

"O que está em jogo não é a Lava Jato, é uma força-tarefa que tem começo, meio e fim, nada dura para sempre, mas não podemos retroceder nesses avanços, virar de costas e incorporar certos discursos, que não fazem sentido", afirmou. "Há analistas que dizem que a Lava Jato é culpada por problemas econômicos. Ah, pelo amor de Deus. É a velha história de culpar o policial por descobrir o cadáver do assassinato", disse.

Apesar de ter exaltado a Lava Jato, Moro ressaltou em seguida que seu trabalho na operação "acabou", mas que ele permanece "firme nas crenças que tinha no passado". "Precisamos avançar e não retroceder, é um grande desafio, que não pode ser encarado só quando o governo age sozinho, precisamos de apoio de outras instituições e igualmente da sociedade", disse. "Este é o meu compromisso, estaremos lá sempre, é meu lema no Ministério", disse o ministro, aplaudido pela plateia.

Moro é recorrentemente citado como potencial candidato à Presidência da República. Ele ganhou notoriedade por ter sido juiz em primeira instância da Lava Jato. Logo após a vitória de Jair Bolsonaro na eleição presidencial, em 2018, foi convidado para assumir o Ministério da Justiça e da Segurança Pública. Desde então, tem tocado uma agenda de combate à corrupção e à criminalidade violenta, simbolizada pelo pacote anticrime, que tramita no Congresso.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Gaeco pede que juiz mantenha  prisão de policiais ligados a Name
MILÍCIA NA CADEIA

Gaeco pede que juiz mantenha prisão de policiais ligados a Name

De folga, PM de MS é baleado por bandido no Paraná
SUSTO

De folga, PM de MS é baleado por bandido no Paraná

Promotoria vai apurar furto de 173 kg de maconha de delegacia
CORRUPÇÃO POLICIAL

Promotoria vai apurar furto de 173 kg de maconha de delegacia

FORA DO CLÁSSICO

Após acidente, Ralf desfalca Corinthians em clássico contra o São Paulo

Jogador se envolveu em acidente na noite de ontem

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião