FUGA EM MASSA

Mais de 70 escapam de presídio na fronteira; secretário reforça segurança em MS

Helicóptero está sobrevoando a área
19/01/2020 08:21 - IZABELA JORNADA


 

Aproximadamente 75 presos fugiram da Penitenciária Regional de Pedro Juan Caballero, na madrugada deste domingo (19). O secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul (Sejusp), Antonio Carlos Videira declarou que a segurança foi reforçada na fronteira e até helicóptero está sobrevoando o local, com o objetivo de impedir a entrada dos fugitivos no Brasil.

De acordo com Videira, os foragidos são integrantes de facções criminosas e a maioria são brasileiros. “Por esse motivo estamos mobilizados, pois existe grande possibilidade deles terem como destino o Brasil, em especial, a cidade de Dourados”, afirmou Videira.

Policiais do Departamento de Operações de Fronteira (DOF), da Polícia Rodoviária Estadual (PRE) e policiais militares estão de prontidão.

Conforme informações divulgadas pelo Fronteira Seca News, os detentos fugiram por um túnel de, aproximadamente, 25 metros. Foram encontrados 200 sacos empilhados em duas celas do presídio. De acordo com Videira, a polícia paraguaia está fazendo levantamento para identificar todos os foragidos.

Ainda segundo informações do site, apenas um preso não conseguiu fugir.

O secretário de Segurança adiantou que o helicóptero vai sobrevoar o local o tempo que for necessário, "não vamos sair de lá", reforçou. Videira disse ainda que a inteligência do Estado está se comunicando com o país vizinho.

(Matéria editada para acréscimo de informação às 10h30)

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".