Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

'PROCRASTINAR' SENTEÇA

Após dois anos da condenação, Olarte ainda tenta adiar prisão na Justiça

Olarte foi condenado a oito anos e quatro meses de prisão

29 OUT 19 - 18h:42FÁBIO ORUÊ

Apesar da condenação a oito anos e quatro meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, em maio de 2017, o ex-prefeito de Campo Grande Gilmar Olarte não começou a cumprir a sentença e continua tentando adiar a sua prisão. Logo na primeira página - de sete - do despacho do desembargador Luiz Cláudio Bonassini da Silva, o magistrado dá fim na estratégia da defesa de ‘procrastinar’ o recolhimento de Olarte. 

O ex-prefeito insiste que não deveria ser julgado pela Seção Criminal Especial do Tribunal de Justiça porque tinha renunciado ao mandato de prefeito, quando saiu a decisão. Porém, segundo o documento divulgado na terça-feira (22), o mandado de segurança impetrado por Olarte não deveria ter sido levado em conta, conforme as Súmulas 267 e 268 do Supremo Tribunal Federal (STF). 

“Mandado de Segurança impetrado pelo ora embargante - [Olarte] - sequer deveria ter sido conhecido, conforme determinam as Súmulas 267 e 268 do STF, pois o recurso cabível não foi interposto e, assim, em relação ao embargante a decisão que rejeitou o pedido de remessa à primeira instância transitou em julgado”, ou seja, não caberia mais nenhum recurso. 

Bonassini destaca que na jurisprudência do STF, de 3 de maio de 2018, os ministros concordaram que o processo não muda mais de instância a partir das alegações finais e o réu já tinha apresentado as alegações finais há muito tempo quando renunciou ao mandato em setembro de 2016, e a instrução, na parte relativa a ele, já estava encerrada e o processo apto a ser julgado. O ato somente não aconteceu porque o grupo denunciado na Operação Coffee Break usou de artimanhas para retardar o julgamento. 

O magistrado se manifestou no embargo declaratório, impetrado pelo advogado de defesa Renê Siufi, contra a decisão do Órgão Especial, que negou pedido do ex-prefeito para anular a sentença e enviar o processo para o juízo de primeira instância.

“E é importante repetir: quando houve a renúncia de GILMAR ANTUNES OLARTE ao cargo de prefeito, todos os denunciados, especialmente ele, que chegou a apresentar as alegações finais, para tal fim estavam intimados há muito tempo, sendo que apenas os corréus não as apresentaram como forma de procrastinar o andamento do processo”, diz o despacho.

Olarte não iniciou o cumprimento da pena, apesar de a sentença ter sido proferida em segunda instância e o Supremo ter determinado a prisão imediata nesses casos. Ele perdeu os recursos no Superior Tribunal de Justiça e até no STJ. Agora, o embargo declaratório será analisado pelo desembargador Claudionor Miguel Abss Duarte e poderá ser julgado, de novo, pelo Órgão Especial.

 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Apreensão de cocaína pela Receita bate recorde em 2019
QUASE 50 TONELADAS

Apreensão de cocaína pela Receita bate recorde em 2019

Roubos em vias públicas caem 21,1% em MS, diz Sejusp
CRIMES EM QUEDA

Roubos em vias públicas caem 21,1%, diz Sejusp

Estado coleta amostras para abastecer banco de material genético de criminosos
SEGURANÇA PÚBLICA

Estado coleta amostras para abastecer banco de material genético de criminosos

Juiz e advogados trocam farpas sobre Lei de Abuso de Autoridade
MILÍCIA ARMADA

Juiz e advogados trocam farpas sobre Lei de Abuso de Autoridade

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião