INCONFORMADO

Após assassinar ex-namorada com dois tiros, homem falha ao tentar se matar

Carta foi encontrada dentro da carteira do autor do crime
30/11/2019 12:03 - FÁBIO ORUÊ


 

Inconformado com o fim do relacionamento, C. R. F., de 59 anos, matou com dois tiros a ex-namorada Angela Maria Jorge Sanches, de 62. Ela, que é professora, estava em um baile da terceira idade, quando foi surpreendida pelo assassino, em Três Lagoas. As informações são do site Perfil News. 

Ângela estava saindo da festa com um parente, quando o ex a abordou e disse que ele iria levá-la para casa, oferta recusada pela vítima. Após isso ele atirou duas vezes com um revólver cal. 32. Um dos tiros atingiu a região da axila da mulher e deve ter atingido algum órgão vital, fato que levou a morte ainda no local. 

Após o assassinato, o homem atirou na própria cabeça na tentativa de tirar sua vida. Testemunhas acionaram o Corpo de Bombeiros e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), que constataram o óbito e atenderam o homem, que estava inconsciente no momento. 

Ainda segundo o Perfil News, ele teria chegado ao hospital consciente e orientado. A bala atingiu um dúctil auditivo e o homem pode ficar com a audição comprometida, porém não há risco de morte. Ele está internado no Hospital Auxiliadora. No local do crime, a perícia da Polícia Civil encontrou uma carta com os dizeres: “Foi pela pessoa que tanto amo, mas não fui correspondido”. O papel estava dentro da carteira dele, no carro que ele usou para ir até o local. 

Angela foi diretora da Escola Estadual Bom Jesus até 2017 quando se aposentou. 

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".