Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sexta, 16 de novembro de 2018

Artigo

Venildo Trevizan: "A paciência de Deus"

Frei

22 JUL 2017Por 02h:00

Estamos no mundo. Somos um universo de múltiplas opções e atitudes imensuráveis. Nossa mente precisa estar permanentemente atenta ao que acontece tanto de bem quanto de mal. Principalmente buscar discernir entre o que realmente é bom do que não é bom, entre o certo e o errado, entre o verdadeiro e o falso. 

Não é suficiente estar em alerta. É preciso acima de tudo o equilíbrio no pesquisar e averiguar aquilo que envolve nossas emoções e nossos pensamentos.

É comum ouvir pessoas afirmando que nos dias de hoje não é possível saber claramente o que é certo e o que é errado. Mesmo que a religião se esforce em impor os mandamentos e outras leis morais, continuam os conflitos de consciência e as dúvidas nas escolhas.

Tudo acontece porque o ser humano não está conseguindo se definir em suas atitudes e em seu comportamento. As redes sociais inundam a mente humana sugerindo que tudo o que conduzir ao prazer é bom e e permitido.

Praticamente elimina a censura e a sacralidade dos sentimentos e das crenças, negando a existência do pecado.

Para esse modo de pensar, tudo é permitido; tudo é possível desde que as pessoas se sintam em liberdade e usufruam ao máximo as regalias do corpo e da mente. A lei é sentir-se livre em tudo e para tudo. As consequências não interessam. O importante é o agora e o prazer.

Mas as consequências virão. O trigo e o joio crescem e se desenvolvem juntos sem perceber a diferença até o aparecimento  da espiga. Mas chegará a hora da decisão e da escolha.E então o trigo será recolhido e o joio será queimado.

O bem  e o mal andam juntos, mas chegará o momento de definir os caminhos e esclarecer a verdade e o conteúdo de cada qual.

O mundo não poderá permanecer  indefinido e indiferente. Chegará a hora do julgamento. Não da parte de Deus. Deus não julga ninguém.

Quem julga são as obras e as atitudes das pessoas. Deus é paciência e misericórdia. Não tem pressa. Sabe esperar. Sabe aguardar os seres humanos compreenderem o quanto ele é amável e cuidadoso.

Apesar dos erros e das infidelidades, Deus continua pacientemente incentivando para o bem e para a verdade.

Continua revelando sua bondade e sua misericórdia. Continua aguardando a humildade e a sinceridade de seus filhos e filhas decidirem entre o trigo e o joio, entre o bem e o mal e tomarem o rumo que sua consciência lhes sugerir.

No fim de tudo haverá uma certeza: o bem vencerá o mal. Mas para que isso aconteça será necessário que os de bom coração e de mente saudável se empenhem em influenciar e convencer os demais a repudiarem o que seja mau e optarem para o que seja bom e verdadeiro.

Então acontecerá a confraternização das almas alegres e dos corações felizes. Acontecerá a festa das atitudes da justiça e das ações de partilha. Acontecerá o congraçamento da misericórdia e das mãos que perdoam. Acontecerá a comunhão alegre e feliz entre Deus bondoso e o homem generoso.

Assim o mundo será mais belo e a humanidade mais solidaria. Assim o bem será santificado e o mal condenado. Assim o trigo será celebrado e o joio  queimado. E a paciência de Deus será vitoriosa.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também