Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ARTIGO

Venildo Trevizan: "A escolha"

Frei

22 AGO 15 - 00h:00

Existem pessoas que, antes de tomar uma decisão, consultam rigorosamente o horóscopo. Outros consultam os búzios. E outros consultam a Bíblia Sagrada para garantir uma escolha segura e eficiente. Mas o viver exige um continuo escolher. E da escolha dependerá o sucesso ou o insucesso, a vitoria ou a derrota, a vida ou a morte. 

No mundo de hoje não é suficiente escolher uma profissão, ou um meio de ganhar a vida. É preciso, acima de tudo, estar devidamente preparado intelectual e profissionalmente. É preciso ainda ter visão daquilo que estão propondo para não embarcar em canoa furada.

O viver não depende apenas de uma profissão. Depende especialmente de como encaramos a realidade em que nos encontramos, como administramos os sentimentos e as emoções, como nos relacionamos com as pessoas e com o próprio Deus.

Existem muitos homens e mulheres perambulando pelos caminhos da vida e contabilizando tropeços, erros, decepções e derrotas. Resta-lhes apenas aguardar a própria morte, pois não vêem nada mais à sua frente do que essas situações deprimentes. Perderam o entusiasmo. Perderam o espírito de lutar. Perderam a esperança, pois destruíram seus sonhos.
Viver exige opção consciente e estudada. Viver exige a mente elevada e os pés no chão. Viver exige sonhar o amanhã e construir o hoje. Viver exige amar o irmão e respeitar o adversário. Viver exige comungar a presença da graça de Deus.

Dificuldades surgem em toda a parte e para todos. Ninguém está livre delas e nem poderá simplesmente eliminá-las. Precisará aprender a administrá-las e contemporizá-las. Nada de precipitação. Nada de desânimo. Nada de medo. É preciso alimentar muita coragem, muita confiança, muita teimosia. E haverá de alcançar o que almeja.

O Mestre dos mestres estava dando as ultimas instruções a seus seguidores. Falava do que iria acontecer a ele e a eles. Convicto daquilo que estava fazendo mostrava o quanto os amava e o quão importante seria o amor entre eles. Alguns, porém, perceberam que não seria tão fácil quanto haviam imaginado continuar seguindo seu Mestre. Resolveram abandoná-lo. E voltaram a seus afazeres. O Mestre percebeu. Muito seguro daquilo que estava propondo olhou para os que permaneceram e os questionou: “Isso escandaliza vocês? Imaginem então se vocês virem o Filho do Homem subir para o lugar onde estava antes?” (Jo.6,61-62) 

A realidade de uma escolha provoca resistência e até desistência. Não é fácil a coerência entre a proposta e a resposta. Por mais rica e nobre que seja a proposta sempre haverá a necessidade de uma corajosa e consciente resposta.

Por isso o mundo se encontra dolorosamente dividido entre heróis e derrotados, entre batalhadores e covardes, entre honestos e desonestos, entre justos e injustos, entre bons e maus  entre santos e perdidos no pecado. 

Não é só diante de Deus que o ser humano deverá apresentar seus feitos e seus mal feitos. Mas é também diante de sua consciência e de sua sensibilidade vital.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta quarta-feira: "Mais impostos, retorno mínimo"

ARTIGO

Odilon de Oliveira: "Contrabando e descaminho"

Juiz aposentado e advogado
OUTRAS OPINIÕES

Fausto Mato Grosso: "Manifestações das universidades"

Engenheiro e professor aposentado da UFMS
CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta terça-feira: "Sem obras, sem nada"

Mais Lidas