ARTIGO

Ruy Sant’Anna: "Fora Lula, Dilma e corrupção"

Jornalista e advogado
18/08/2015 00:00 -


A base aliada de Dilma esfarela-se com partidos que deixam o apoio ao governo. E Dilma continua incorrigível ao pregar a separação do povo com seu ódio dos “nós (governo) contra eles, a maioria que não apóia seu desgoverno. Com isso, mesmo com o calorão desse domingo de 16 de agosto cresce o interesse do Fora Dilma e leva o PT junto, agora com até pedidos de prisão para Lula e desaprovação ao senador Renan Calheiros (PMDB). Mesmo com o dinheiro gasto para o “desfile” das margaridas, em Brasília “apoiando Dilma” o bota Fora Dilma tem muito mais representação por ser manifestação espontânea e suprapartidária. Fato inédito do domingo PP foi a manifestação da representação popular de brasileiros em 13 localidades no exterior, incluindo Londres, Berlim, Dublin, Washington e Nova York. 

O que se observava há tempos é que as manifestações não tinham focos específicos. Agora, estão mais que focados. Acertaram nos alvos Os protestos populares, sem dinheiro de governo, estão atentos no apoio ao juiz Sergio Moro, Polícia Federal e Ministério Público Federal; no Fora Dilma, Lula e PT; Fora Corrupção; e a favor do Impeachment, renúncia ou deposição do cargo. E mais, o cargo da presidente que era respeitado, agora não o é mais diante das mentiras sobre boa administração que não existe e piora; do nem que a vaca tussa, e diante da tosse comprida que balançou o Palácio da Alvorada.

O fato de manifestantes um pouco menor que a grande presença de março desse ano, não autoriza Dilma a esfregar as mãos de contentamento por isso. Outro ponto de muito mais relevância e importância são os resultados de pesquisas populares sobre o desgoverno petista de Dilma. Sua popularidade esta pior, a economia também desmorona diariamente com o sofrimento popular que não tem mais o mesmo poder de compra, semana a semana etc.

A pressão da panela está muito grande porque os métodos de seu uso são velhos e inconsistentes. Tem que se levar em conta não apenas a parte numérica das grandes cidades que mesmo em expressiva quantidade foi menor que a anterior, mas o forte calor, e o domingo, atrapalharam com muitas pessoas em casa. Mas, sobretudo a participação de cidades do interior brasileiro que aderiram às manifestações, e a expressiva presença de famílias com crianças pequenas e de colo, cadeirantes e idosos é muito significativa na conscientização da população. Tudo isso foi emocionante junto à esperança do impeachment, renúncia, mais prisões de corruptos e condenações, alegrando o dia de milhões de brasileiras (os) nesse dia 16, domingo. A diferença dos protestos populares suprapartidários e o de apoio a Lula e Dilma que foi promovido pela CUT e alguns metalúrgicos paulistas, é que estes tinham até banheiro químico, lanches e sobretudo insignificante presença, mesmo com trinta ônibus disponíveis para transportar os lulistas e dilmistas, enquanto os do Fora Lula, Fora Dilma e PT movimentaram-se às suas próprias custas e sacrifícios. Fora Lula, Dilma e Corrupção. Ordeiro não é cordeiro como vi numa placa aqui em Campo Grande.

Mato Grosso do Sul através de Campo Grande, Dourados, Corumbá e Três Lagoas, expressou sua indignação pelos desmandos, corrupção e mentiras desde Lula e agora Dilma. Na Capital, os movimentos Pátria Livre e Chega de Impostos coordenaram os campo-grandenses em repúdio à corrupção e apoio ao Fora Lula, Dilma e Corrupção. Tudo em apoio à PF, MPF e juiz Sergio Moro. A organização e apresentação foram perfeitas com 3.000 manifestantes. A todos o meu abraço com o meu bom dia, o meu bom dia pra vocês.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".