OPINIÃO

Rodrigo Capella: "A força do agronegócio em MS"

Consultor no setor de Agronegócios, palestrante
15/01/2020 01:00 -


É fato que o estado de Mato Grosso do Sul tem no agronegócio uma de suas maiores forças econômicas. Além da diversidade de atividades rurais, também é notável os vários parceiros comerciais do Estado, com demandas diferenciadas e personalizadas.

Conversei recentemente com Jaime Verruck, secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul. Ele revelou que o maior destino das exportações é a Ásia. De acordo com o secretário, a China importa grande parte dessa produção, que engloba soja, milho, celulose e carnes (suína, de aves, bovina). Bem interessante!

Durante o papo, Verruck revelou o desejo em expandir estas exportações. Este objetivo é bem fundamentado. Se fizermos uma breve análise, veremos que a Ásia se consolidou como um grande parceiro comercial do Brasil. Vários fatores contribuíram: a qualidade de nossos produtos, a dedicação do produtor brasileiro durante sua rotina diária e também a necessidade de importação de muitos países.

Apesar deste contexto favorável, o que mais me chamou atenção durante a conversa foram os projetos regionais. O secretário destacou as iniciativas para suínos e novilhos precoces, entre outras mais. Fiquei imaginando se em nosso Brasil não poderíamos ter mais projetos estaduais focados por atividades, beneficiando os produtores de acordo com necessidades, dilemas e desafios diários. Afinal, o agronegócio é muito complexo. Quando generalizamos, perdemos assertividade.

Quase no final do bate-papo, Verruck destacou que uma das metas destas iniciativas regionais é proporcionar uma melhor remuneração para o produtor rural. Bingo! É disso que eles realmente precisam. “Nós entendemos que, em médio e longo prazo, só ficará na atividade quem investir em tecnologia”, disse ele. E eu concordo. Inovação não é mais um diferencial, é uma necessidade. Mas, para ela existir, o produtor rural precisa de recursos financeiros. Tecnologia não nasce em árvore. Pelo menos as que eu conheço.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".