Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

OPINIÃO

Renata Espíndola: "Aspectos psicológicos decorrentes do aborto provocado em gravidez 'não desejada'"

Psicóloga, membro do Comitê Sul-Mato-Grossense da Cidadania pela Vida Brasil sem Aborto

20 AGO 15 - 00h:00

“Meu corpo, minha propriedade”, “Aborto legal e seguro é um direito”, essas são frases que comumente vimos estampadas nas manifestações pró-aborto. Uma parcela de nossa sociedade feminina clama pelo empoderamento da mulher na decisão de interromper uma gravidez não desejada, o que é legítimo, sendo nosso país uma democracia, em que várias vozes podem e devem ser ouvidas, sentidas e reflexionadas. 

No entanto, como todo processo de escolha por algo que define o indivíduo, como “ser ou não ser mãe”, e no caso do aborto algo muito mais sério, que é “deixar ou não nascer o seu próprio filho”, esta deveria ser uma escolha alicerçada em torno de informações biológicas, emocionais e psicológicas dessa decisão ao longo da vida. 

As consequências psicológicas são as mais negligenciadas nos fóruns sobre aborto. Pesquisas científicas apontam para a síndrome pós-aborto (SPA), que reúne sintomas semelhantes em pacientes ligados a experiências abortivas e que tem sido observada por terapeutas em vários países, inclusive onde o aborto é legal. 

Em países como a Holanda e Portugal, há a Associação para Mulheres Vitimadas pelo Aborto (Weba), que orienta mulheres que sofreram traumas emocionais decorrentes do aborto, a processar o Estado por não terem sido informadas sobre as consequências psicológicas em decorrência de tal ato. 

O artigo “Aborto: Liberdade Feminina para Escolher a Própria Morte” (Jornal do Advogado, 2006) pontua que, “quando a gravidez é interrompida com o aborto, ocorre uma diminuição abrupta de neurotransmissores secretados pelas células nervosas, ocorrendo um desequilíbrio nos sinais celulares. É a depressão causada por motivos moleculares e, consequentemente, levando ao aumento da taxa de suicídio e infertilidade.” 

Mesmo em caso de abortos legais, como no estupro, também existe pesquisa que revela as consequências emocionais. O estudo “A Origem da Vida do Ser Humano e o Aborto” cita a pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (2004), com mulheres estupradas que conceberam uma criança: “Não tem cabimento se propor outro ato de igual violência, como o aborto. Verificou-se que 80% das mulheres grávidas por estupro se recusaram a abortar e estão contentes com os filhos, enquanto as 20% que realizaram o aborto estão arrependidas”. 

O aborto produz, ainda, um luto incluso em razão da negação da ocorrência de uma morte real, que é desconsiderada. No caso do aborto provocado, ele é considerado como um não evento, pois não aconteceu o nascimento e nem houve a morte convencional. A mulher, nessa situação, não pode vivenciar o seu luto, é um “luto não autorizado”, que se refere às perdas de “não poder ser abertamente apresentadas, socialmente validadas ou publicamente pranteadas”. 

O aborto é um procedimento traumático, com repercussões negativas e que independe se é legal ou não, se há influências sociais, religiosas ou não. Tais influências colaboram para o processo emocional ser mais ou menos intenso. 

O feto abortado estará presente nas lembranças de uma mulher, mesmo que de forma inconsciente, e de acordo com a maior ou menor suscetibilidade emocional da individualidade de cada mulher, haverá consequências emocionais de diferentes tipos e gravidades.

Toda a mulher que pensa em abortar deveria conhecer as consequências físicas e psicológicas da prática do aborto. Negar que elas existem é negligenciar a futura saúde mental da mulher, que já se encontra em vulnerabilidade emocional, diante de uma gravidez não desejada, em que comumente é pressionada ou abandonada pelo parceiro, não tem apoio familiar, social, estatal, ou é uma vítima de estupro.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta segunda-feira: "Persistência no erro"

ARTIGO

Fábio Trad: "Em defesa da Reforma Tributária: a urgência se impõe!"

Advogado e deputado federal
OPINIÃO

Eduardo Pragmácio Filho: "O fim da Carteira de Trabalho"

Doutor em Direito do Trabalho pela PUC-SP
CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial de sábado e domingo: "Alternativa perigosa"

Mais Lidas