OPINIÃO

Nylson Reis Boiteux: "Batalha do Riachuelo: supremacia naval do Brasil"

Coronel reformado do Exército Brasileiro
11/06/2019 01:00 -


O Paraguai era e é um país “enclausurado” no interior do con­tinente, muito afastado do mar e com o acesso ao seu território li­mitado, basicamente, à via fluvial do Prata, por suas águas e afluen­tes. Isso exigia dos Aliados, a posse dessa rede fluvial. Dois fatores contribuíram para esse objetivo: O Tratado da Tríplice Aliança, que conferiu aos brasileiros o Comando das Operações Navais e o prestigio pessoal do Almirante Tamandaré junto ao governo argentino, garantindo a utilização pela Armada brasileira do Porto de Buenos Aires. Essa Base permitiria, durante o conflito, destruir os meios flutuantes do Paraguai e obter, desta forma, a supremacia naval. Esse acerto das medidas tomadas resul­tou na Batalha do Riachuelo, travada em 11 de junho de 1865 que, pela sua vitória, criou as condições necessárias para o sucesso das operações futuras das Forças Aliadas. 

O resultado a favor das nossas armas permitiu que a logística, em vista dos recursos locais escas­sos, conseguisse manter o fluxo de suprimentos oriundos da Área de Retaguarda. A esquadra paraguaia, partindo de Humaitá na noite de 10, devia regular a sua marcha de modo a atingir a esquadra brasileira nas primeiras horas da madrugada de 11 de junho. Cada um dos navios paraguaios devia abordar um dos navios brasileiros. Se algum destes conseguisse repelir a abordagem, teria a sua retirada cortada por uma bateria previamente assestada no barranco sobre o canal Riachuelo, duas léguas abaixo da cidade de Corrientes. Ide e trazei-me os navios brasileiros! foram as palavras de Lopez quando terminou a proclamação que dirigiu à sua esquadra no momento da partida de Humaitá. A distancia poderia ser percorrida em cinco ou seis horas, mas uma avaria no vapor Iberánão não permitiu efetuar a surpresa antes do romper do dia, e só às 9 horas as duas esquadras se avistaram. 

A Força Naval Brasileira que bloqueava o rio Paraná estava fundeada ao lado do Chaco, a 25 km ao sul de Corrientes. Era composta de 11 navios, mas no dia da batalha contava só com 9; outros dois: as canhoneiras Itajái e Ivaí encontravam-se destacadas em ponto distante rio abaixo. A força era formada pela 2ª e 3ª Divisões da Esquadra e composta de 09 navios de guerra estando armada com 59 bocas de fogo, levando a bordo 1 113 fuzileiros navais e 1 174 soldados do Exército Imperial. Somavam um total de 2 287 homens. Seu Comandante-em-chefe era o Almirante Francisco Manuel Barroso da Silva, que antes de iniciar o combate naval emitiu da fragata “Amazonas”, capitânia da Esquadra 02 mensagens para a faina geral: 

1) “O Brasil espera que cada um cumpra o seu dever” . 2) “ Atacar e destruir o inimigo o mais perto que puder”. 

Já haviam as forças paraguaias de terra levantado, durante a noite precedente,baterias nas barracas, de onde deviam cooperar  com as forças navais.Passaram estas, ao descer o rio, pela nossa esquadra quase sem hostilidades; e chegando junto ás baterias mascaradas, romperam fogo com violência terrível tentando rechaçar para cima os nossos navios. A tática dos paraguaios era tremenda; e sem a bravura dos nossos, teria ela produzido o desastre mais horrível, talvez de toda história militar da America. Além de seis formidáveis baterias flutuantes, puseram os inimigos em ação oito vapores e numerosas chalanas, ou grandes canoas de guerra. Ao inesperado do ataque e a surpresa das manobras, juntaram se logo a desordem e a confusão produzidas pela estranha celeuma e pelos ímpetos de loucura com que as chusmas de paraguaios fanáticos investiam as nossas embarcações. 

A batalha durou 10 horas; e por fim, a coragem épica do comandante Barroso, imaginando utilizar o seu navio “A Amazonas”, construído com a dura madeira teca indiana e carvalho, como um aríete, manobrou rapidamente e com o choque do seu navio afunda três vapores do inimigo, assegurando a vitoria das nossas armas, e escrevendo uma das páginas mais gloriosas da nossa história naval. Os paraguaios fogem levando mortos e feridos, da ordem de 1.000 homens, entre estes o Comandante Meza. Nossas baixas somaram 104 mortos, 123 feridos e 20 extraviados. 

Imortalizaram-se nesta batalha, entre outros heróis, o marinheiro Marcilio Dias e o Guarda-Marinha João Guilherme Greenhalgh, mortos em luta desesperada na defesa do Pavilhão Nacional. Riachuelo representou o aniquilamento da força naval paraguaia, permitindo e esquadra brasileira dominar o Rio Paraná até a embocadura do Rio do Prata. E, para terminar digamos como o ilustre professor Escragnolle Doria “Se houve um dia em que o Brasil careceu de um homem, esse dia foi Riachuelo, esse homem foi Barroso”.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".