Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ARTIGO

Nilson Reis Boiteux: "Projeto Rondon – 52 anos - integrar para não entregar"

Coronel reformado do Exército

12 JUL 19 - 02h:00

A expedição do Marechal Rondon e o movimento estudantil nas décadas 60/80, que ficou conhecido como Projeto Rondon em homenagem ao seu patrono ilustre são os únicos comparáveis com a epopeia desbravadora dos bandeirantes audazes dos Sec XVII e XVIII. Assim é que, por volta de 1648, Raposo Tavares chegava aos contrafortes da Cordilheira dos Andes e Francisco Pedro Xavier em 1677 atingia algumas dezenas de léguas distante de ASSUNÇÃO.  No início do século XVIII, em 1718, Pascoal Moreira Cabral, lançava os fundamentos de Cuiabá. Com essas ações intrépidas, os nossos bandeirantes ultrapassaram o Meridiano de Tordesilhas e assenhorearam para a Coroa Lusitana desse imenso Centro-Oeste que hoje, com orgulho, avançamos o Brasil. O Projeto Rondon, no século XX impregnado da mesma energia e ideais dos nossos ancestrais indômitos e ainda, com redobrado denodo, repetiu a façanha dos Bandeirantes mas, num outro sentido. Levou da cidade para o campo um movimento de interiorização cheio de esperança, no atendimento aos milhares de brasileiros até então desassistidos. Em todos os rincões desse imenso país houve um sopro de renovação. “A ideia-força do Projeto Rondon: integrar para entregar” foi plantada no coração do Brasil.

Passada a fase heróica do Projeto Rondon e tendo o mesmo se consolidado perante a opinião pública, atingiu-se nos tempos áureos quando a sua profícua atuação mobilizou em todo país, durante 22 anos de 1967/1989 mais de 350 mil universitários e 15 mil professores, realizando ações transformadoras em comunidades carentes. Decorridos 52 anos de existência, o Projeto Rondon deixou um saldo de 23 “Campi avançados” com a efetiva participação nesses “Campis” de 55 instituições de ensino superior de todo país e mais de 500 mil universitários que vivenciaram as Operações nacionais, regionais, locais e de interiorização. Com essa soma de trabalhos o Projeto Rondon constituiu-se no mais importante programa de inserção dos universitários na vida brasileira. Em 1986 o Ministro da Educação JORGE BORNHAUSEN propôs ao Presidente JOSÉ SARNEY a extinção da Comissão Nacional de Moral e Civismo (CNMC), por entender que a matéria possuía caráter exclusivamente político e doutrinário, sendo despojada de qualquer fundamento científico e pedagógico e que servia à doutrina da Segurança (Correio Braziliense, 27 de março de 1986). Acolhendo a sugestão de seu Ministro o Presidente Sarney encaminhou ao Congresso Nacional Projeto de Lei extinguindo a COMISSÃO DE MORAL E CIVISMO, criada pelo Decreto-Lei nº 869, de 12 de setembro de 1969 (Folha de São Paulo de 17 de abril de 1986).

O Ministro da Educação de então, julgou que os nossos jovens já tinham um grau de civismo muito desenvolvido e, por isso, resolveu eliminar a cadeira de Educação Moral e Cívica em todos os Educandários brasileiros, considerando que a matéria servia à ideologia dos militares da Revolução de 1964 e que nos “novos tempos” não haveria lugar para tais coisas... Na década de 90 a Fundação Projeto Rondon, então no Ministério do Interior, foi extinta no bojo de mais 30 instituições federais. Os Rondonistas históricos, inconformados, não aceitaram o golpe que se abateu sobre eles, e muito pior, que se abateu sobre os universitários, as comunidades carentes e o país. Em vista disso, resolveram criar o Projeto Rondon - Associação Nacional dos Rondonistas, que até bem pouco tempo tinha representação em 26 Estados da Federação. De imediato o Projeto Rondon retomou o seu antigo vigor com o carisma e credibilidade conquistados em todo Brasil pelas suas profícuas e brilhantes atuações, particularmente em lugares inóspitos. Recomeçou onde começou em 1967, atuando na Amazônia em meses de trabalho na selva selvagem fazendo o registro das comunidades indígenas isoladas, trazendo como resultado milhares de certidões que possibilitaram a esses brasileiros o direito garantido na Constituição de exercer a sua cidadania. Com o êxito obtido nessa ação, o Governo Federal editou um Decreto que pudesse dar estabilidade à Associação Nacional dos Rondonistas e, para tanto sugeriu que o Projeto Rondon procurasse os Ministérios. Assim coube ao Ministério da Defesa aglutinar os demais Ministérios, pois estando estruturado iria trabalhar em consonância com o Projeto Rondon Nacional, que cedeu por 10 anos o direito do Ministério da Defesa usar a logomarca e o nome de “Projeto Rondon”, guardando a pureza dos seus ideais. Atualmente o Ministério da Defesa tem na sua estrutura o Projeto Rondon e como missão atua em diferentes áreas geográficas do País. O Projeto Rondon dos Estados, hoje Instituto Projeto Rondon, atua localmente tendo como objetivo maior interiorizar a juventude dos Estados. 

O Instituto Projeto Rondon /MS - Associação Nacional dos Rondonistas de Mato Grosso do Sul continua atuante, estimulado pelo trabalho e dedicação de seus componentes. É uma OSCIP séria, registrada nos órgãos federais de controle e por eles fiscalizada. Mais do que isto, desenvolve nos universitários sentimentos de brasilidade, de princípios éticos e de respeito aos valores morais e materiais da nacionalidade. Impregna todos esses princípios com aspectos práticos de suas diversas profissões – a verdadeira Extensão Universitária – mostra-lhes o Brasil desconhecido, o seu Brasil; levando às populações que são assistidas a cultura de onde vieram. Por intermédio do Projeto Rondon tornam-se melhores profissionais, melhores cidadãos e sobretudo melhores homens e mulheres com alta consciência nacional.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta terça-feira: "Abertos às sugestões"

ARTIGO

Benedito Rodrigues da Costa: "A crise econômica e o endividamento do povo"

Economista
OPINIÃO

Carlos Lopes dos Santos: "O maior inimigo do presidente"

Advogado
CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta segunda-feira: "Perspectivas para o gás"

Mais Lidas