Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

OPINIÃO

MAteus Boldrine Abrita: "Deflação: parece legal, mas não é"

Professor e doutor da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

14 OUT 19 - 01h:00

O Brasil registrou deflação em setembro de 2019, menor valor para um mês de setembro desde 1998. Isso tem gerado um debate na sociedade brasileira. Mas, afinal, o que é deflação? Isso é bom ou ruim? Quais seus impactos e implicações?
O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é medido pelo IBGE e mensura a inflação no Brasil. Os resultados divulgados na quarta-feira (9 de outubro de 2019) mostraram uma deflação no mês de setembro de 2019 de 0,04%, principalmente puxado para baixo pelos preços dos alimentos.

Para compreender o que é deflação, é importante entender o que é inflação. De acordo com os manuais de economia, de um modo geral, inflação é dada pelo aumento contínuo e generalizado dos preços. Sabe quando você vai ao supermercado, posto de combustível, lojas... e sempre nota que tudo tem subido? Então, isso é inflação. Já a deflação é o oposto. Ou seja, diminuição dos preços contínua e generalizada.

Muitos leitores vão discordar desse resultado divulgado pelo IBGE, que mostra deflação, afinal, a impressão é a de que tem ocorrido uma alta de preços, e não queda. Isso tem a ver com o método de cálculo e outras particularidades do índice, esta é uma discussão para outro artigo. Voltando para nosso assunto, em um olhar inicial, pode parecer que a deflação é uma ótima notícia, ou seja, os preços estão caindo e isso é muito bom para o consumidor, que poderá consumir mais no futuro. Contudo, o problema é mais grave do que parece.

Quando uma economia apresenta deflação, é sinal de que a renda, o emprego e o consumo estão prejudicados. Isso revela que a economia está fraca e desaquecida, sendo reflexo de um mercado consumidor não pujante. Uma implicação macroeconômica é a seguinte: quando a demanda está fraca, os estoques tendem a aumentar e o empresário encontra dificuldades em realizar as vendas. Logo, ele tende a não investir mais e não gerar novos empregos e às vezes até demitir.

Outro aspecto perigoso da deflação é mais microeconômico, se ela persistir, o consumidor pode ficar esperando a queda dos preços para realizar a compra e como ele adia o consumo, os preços realmente caem, o que pode levar aos consumidores adiarem ainda mais o consumo, esperando novas quedas. Neste cenário, o consumo é adiando e os preços estarão sempre caindo, logo, o empresário não vende e, portanto, não contrata nem realiza investimento e pode até demitir. Isso é um problema sério para a economia.

Um caso muito famoso é o do Japão, principalmente na década de 1990. Lá, ocorreu um processo de deflação importante e agravou a situação da economia japonesa. Com a queda dos preços, ocorreu um sentimento de que os preços sempre iriam continuar caindo, e os consumidores abdicaram de consumir, aguardando novas quedas. Com a queda nas vendas por parte das empresas, muitas delas tiveram de demitir e isso agravou a situação. Obviamente, é pouco provável que isso ocorra no Brasil.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta quinta-feira: "Emenda pior que o soneto"

ARTIGO

Odilon de Oliveira: "Prisão em segunda instância"

Juiz federal aposentado e advogado
OPINIÃO

Carlos Rodolfo Schneider: "Responsabilidade solidária na busca do desenvolvimento"

Empresário
CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta quarta-feira: "Por uma melhor gestão"

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião