Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CRÔNICA

Maria da Glória Sá Rosa: "Reflexões de uma professora"

25 AGO 15 - 00h:00

Fui buscar em Camões a justificativa de minha persistência numa profissão que foi a razão de minha longa existência. As asas da memória me transportam aos oito anos, repletos de sonhos, esperanças e ilusões.

Revivo a época do internato do Ginásio  Juvenal de Carvalho, em Fortaleza, onde me vejo rodeada de coleguinhas, tentando fazê-las decifrar os mistérios dos textos de Português.

Alguns anos depois, no Colégio Santa Inês, em São Paulo, era a mim que recorriam as colegas, quando os textos de  Machado de Assis lhes pareciam mais complicados que os dos teoremas de Matemática ou Física.

De onde me vinha o prazer de ensinar, como irreprimível vocação a que não conseguia escapar?
O prazer de ler e comentar, de passar meus conhecimentos a minhas amigas, era algo irresistível, como saborear um copo de água gelada numa tarde de calor. O gosto cresceu, definiu-se, quando me matriculei na PUC do Rio de Janeiro, para cursar Línguas Neolatinas, e tive a ousadia de dar aulas numa escola do morro de  São Carlos, para um grupo de alunos endiabrados, que não prestavam a mínima atenção aos ensinamentos preparados com o maior carinho.

Minha experiência terminou no curso primário, quando a classe estremeceu com uma bomba lançada por um garoto. 

Compreendi, em minha ignorância, que a necessidade do preparo didático era  fundamental no trabalho de envolvimento com crianças e adolescentes. A  improvisação só valia para os gênios, e este não era meu caso.

Os anos giraram como folhas ao vento e, em 1950, formada, retornei a Campo  Grande, ansiosa para desenvolver a profissão a que me agarrava como uma segunda  vida. Comecei dando aulas no Oswaldo Cruz, no Auxiliadora, no Estadual, nos anos  escuros de 1950, nos quais a falta de luz nunca diminuiu a minha paixão de encontrar os  alunos e abrir-lhes o coração e a alma para as coisas significativas da vida.

A convite do Padre Angello Ventureli, participei da fundação da Faculdade Dom Aquino, onde lecionei mais de dezessete anos e adquiri os melhores  amigos de minha vida, tanto  no  que se refere aos alunos como aos professores. 

Atualmente, a maioria delas são professoras de universidades, exercem cargos elevados em tribunais, escreveram importantes obras, dirigem cursos de línguas.

A convite do reitor João Pereira da Rosa, ingressei na UFMS, onde me aposentei  depois de 26 anos dedicados ao ensino e à cultura. Ia de carro, de Jeep, com o coração  transbordando na esperança de dar minhas aulas. Gostava cada vez mais do contato com os livros, funcionários, colegas e alunos. 

Um de meus maiores prazeres é ser reconhecida na rua por esses alunos, que vivem dentro de minhas lembranças como árvores que se alimentaram do saber e da confiança no viver.
Conheço muitas pessoas que se sentiram bem mudando de profissão. Isso não  acontece comigo. Minha profissão é minha raiz de felicidade. Nunca pensei em mudar.  

Bretch dizia: “Fui e sou um homem de teatro”. Afirmo: Fui e sou uma professora, as  transformações que marcaram minha vida não foram suficientes para mudar minha vontade de ser apenas uma professora.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial de sábado e domingo: "Alternativa perigosa"

ARTIGO

Venildo Trevisan: "Amor e compromisso"

OPINIÃO

Antonio Carlos Siufi Hindo: "Nossos longevos, nossos conselheiros"

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta sexta-feira: "O alto preço do descaso"

Mais Lidas