Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

OPINIÃO

Marcelo Harger:
"Esperando o amor chegar"

Advogado

11 MAR 19 - 01h:00

O amor é algo que surge. Não se explica. Todos buscam. Alguns encontram. Outros não. Algumas vezes surge rápido. Outras demoram. Pode ser na forma de uma pessoa. Talvez de um filho ou namorado. Outras vezes um amigo ou ente querido. Outros se afeiçoam perdidamente a um animal ou objeto. São formas diferentes de amor.

Uma coisa é certa. O amor brota inesperadamente. Não sabemos por que amamos alguém. Sabemos que amamos. Isso basta. Tenta-se justificar racionalmente. Uns dizem que é por causa da beleza. Outros pela inteligência ou ainda por um jeito de olhar ou sorrir. Nenhuma dessas justificativas funciona. Certamente existem pessoas mais bonitas, inteligentes e alegres que aquelas que amamos, mas não é com essas pessoas que o laço se forma.

Normalmente é com alguém insuspeito. Tentar explicar é besteira. Não se explica o que não é racional. Já se disse que o coração tem razões que a própria razão desconhece. Essa é a verdade. É sentimento. Não se explica. Vivencia-se.

Não adianta forçar o amor. Por mais que alguém se esforce ele não acontece. Não depende de esforço ou desejo. Precisa de serenidade e preparação que somente a vida traz. Quanto mais se busca mais distante ele fica. Quando se deixa de procurar ele surge. Algumas vezes muito mais próximo do que poderíamos imaginar.

É que não adianta procurar com a visão. O essencial é invisível aos olhos. Só se encontra se olharmos com o coração. Quem disse isso foi o pequeno príncipe. É lugar comum, mas é verdade. Foi ele também quem disse que quando alguém que amamos chega as quatro desde as três somos felizes. Pensamentos simples, mas profundos para pensar enquanto esperamos.

Enquanto aguardamos somente podemos preparar nossos corações, porque quando estivermos prontos para o amor certamente a pessoa amada aparecerá.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ARTIGO

Fausto Matto Grosso: "20 anos depois"

Engenheiro civil, professor aposentado da UFMS
OPINIÃO

José Santana Júnior: "Aspectos legais da morte encefálica e doação de órgãos"

Advogado
CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial deste sábado/domingo: "A reinvenção da máquina pública"

ARTIGO

Venildo Trevisan: "Alegria"

Frei

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião