Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Artigo

Luiz Fernando Mirault Pinto: Senso crítico versus Senso comum

Luiz Fernando Mirault Pinto é Físico e administrador

10 AGO 15 - 00h:00

A palavra senso se refere a um modo de agir de forma sensata, prudente, avaliando a direção e o andamento do nosso comportamento pela habilidade de distinguir aquilo que é certo ou errado, o falso do verdadeiro, ou mais apropriadamente o adequado e o inadequado para um determinado momento. Ela tem a ver com o instinto, inteligência, a prudência e o juízo característicos de seres humanos e o modo de viver em um ambiente. 

O neocortex é a área ocupada pelos “lobos frontais” responsável pelo senso crítico, onde estão as nossas capacidades das tomadas de decisão, concentração, análise dos riscos, raciocínio, planejamento, garantindo nossas relações humanas de convivência e a sobrevivência com o entorno.

O senso comum reflete o modo de pensar da maioria das pessoas baseado em experiências práticas vividas e transmitidas, observações de padrões (comportamento), mas que não se baseiam em metodologias científicas e sim numa maneira natural de guardar conhecimentos diários, úteis para a sobrevivência.

A literatura estabelece que o senso comum é uma unanimidade de pensamentos sobre a vida, obtida sem reflexão ou análise crítica (sem questionamentos e métodos), sem origem, propriedade, que levam a um bem comum, ou às vezes a uma alienação, própria das classes menos favorecidas, carentes da educação e passíveis de manipulação.

Independente das pessoas serem do jeito que são; acreditarem naquilo que querem ser; auto-determinadas e autônomas, elas têm obrigação de resguardar e zelar pela integridade das opiniões e das ações sob pena de serem desacreditadas por serem desprovidas do senso crítico. 

Como se trata de uma característica individual e que depende de inúmeros fatores e, portanto são diversos seus níveis como a formação e o conhecimento, observação, raciocínio, avaliação, discussão, confronto de ideias, entendimento das palavras e do contexto e suas interpretações, conceituação do cenário e do evento ou fenômeno e conclusão lógica da resposta. Importante lembrar que fisicamente, a fadiga, o álcool, as drogas, a alimentação incorreta, os níveis de estresse, a senilidade, prejudicam as condições ideais para que o senso crítico se manifeste em sua plenitude. 

Quando nos comportamos ridiculamente, isto é, na maioria das vezes fora das normas instituídas socialmente, o nosso senso crítico é questionado neste momento, justo porque afloram hábitos e crenças enraizadas em nós e que destoam daquilo que é aceitável para um convívio harmonioso.

Não existe dicotomia entre os dois sensos, mesmo que as conceituações os classifiquem  entre um senso dito “erudito” e outro “popular”. Enquanto o crítico se firma a partir das avaliações sobre as conceituações e a introjeção (valores familiares e sociais) do conhecimento do senso comum; este, por sua vez, apenas vive e não tem tempo para analisar a qualidade ou mesmo a importância de um evento qualquer.

O que se observa na atualidade é que o ser humano passou a desconsiderar a crítica, sendo abduzido pelo pensamento comum como o descaso da violência, a insensibilidade nas notícias, o entretenimento fútil dos programas televisivos, o passatempo estéril na comunicação pelos Faces, Instagrans, Twitters  e Hangouts, as manifestações públicas sem objetivos, as replicações de falsas verdades pela web e o enredo de vampiros, mortos vivos e heróis sem ética.

A falta de senso crítico resulta em prejuízos para a sociedade que passa a dar crédito a políticos e empresários corruptos, a celebridades falsas, e aceitar uma cultura medíocre representada por artistas sofríveis, ou o despreparo de educadores, salários e empregos aviltantes, sem o devido crivo da avaliação. O senso comum, no entanto, sabe disso tudo e ingenuamente afirma que “sempre foi assim”, vai ganhando espaço precioso sobre esse tal de senso crítico. Urge reverter esse placar! 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial deste sábado/domingo: "Os números não mentem"

ARTIGO

Venildo Trevisan: "O poder do amor"

Frei
OPINIÃO

Raphael Pereira: "Autorização para viagem internacional de criança"

Advogado
CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta sexta-feira: "Segurança e coerência"

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião