Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ARTIGO

Luiz Augusto Filizzola D'Urso: "Fake news na internet"

19 AGO 19 - 02h:00

O vídeo que circulou nas redes sociais, com o título “Denúncia: Deputado Marca Presença de Colegas Ausentes”, que retratava um suposto deputado relacionando a presença dos colegas faltosos em uma sessão na Câmara Federal, é verdadeiro? A atriz Paolla Oliveira teve um vídeo seu, com conteúdo pornográfico, vazado recentemente? A notícia que circulou na internet de que o STF autorizou o monitoramento do WhatsApp de todos os brasileiros é real?

A resposta para as três perguntas acima é NÃO! No entanto, por que tais notícias parecem ser verdadeiras e temos a impressão de que já as vimos em algum lugar? Isto se dá, pois estes boatos tratam de fake news (notícias falsas) e circularam nas redes sociais, criando intensos debates na internet.

A fúria que se verifica nos comentários sobre o vídeo do suposto deputado flagrado demonstra o poder de influência das fake news. Ironicamente, o vídeo viralizado não era de um político brasileiro, na verdade tratava-se de um vídeo gravado e publicado na Ucrânia, em 2017.

Entretanto, tal denúncia mentirosa teve grande repercussão na internet, fazendo com que os internautas publicassem seus posts, destilando sua indignação nas redes sociais (podendo atingir milhares ou até milhões de pessoas), estimulando ataques genéricos aos políticos brasileiros, em decorrência deste suposto flagra, presente no vídeo.

As fake news ganharam notoriedade após a campanha para eleição de Donald Trump, nos Estados Unidos, em 2016, quando as pesquisas apontaram que realmente houve uma influência direta das fake news nas eleições norte-americanas e que, inclusive, 27% do eleitorado teria acessado, pelo menos, uma fake news nas semanas que antecederam a eleição presidencial.

Na Inglaterra, o termo fake news foi classificado como a palavra do ano de 2017, pela editora Collins, e receberá menção em um dicionário britânico. Já na Alemanha, em um campo de 27 milhões de tweets publicados, relacionados à campanha eleitoral, 14% eram fake news, ou seja, mais de 3 milhões e 700 mil tweets tratavam de informações falsas. Aliás, existem bots (robôs) que podem publicar mais de mil tweets por segundo, provando, assim, a facilidade de se viralizar algo inverídico nas redes.

No Brasil, acompanhamos o problema das fake news em diversos exemplos; o mais recente foi a disseminação exacerbada de suposto vídeo pornográfico da atriz Paolla Oliveira, quando na verdade se tratava de uma atriz pornô parecida com Paolla.

O grande problema é que tais notícias falsas têm se utilizado do compartilhamento irresponsável de muitas pessoas na rede, que estão disseminando notícias mentirosas, sem verificar previamente sua veracidade. Inclusive, há casos em que o compartilhamento é realizado após o indivíduo ler apenas a manchete, desconhecendo por completo o conteúdo compartilhado.

Nota-se, também, que as empresas de tecnologia (redes sociais) vivem em constante luta para solucionar ou diminuir este problema, contudo, não tem obtido pleno sucesso neste combate às fake news disseminadas em suas plataformas.
Revela-se, assim, que a preocupação com o tema é mundial. Todavia, a apreensão tem surtido efeito na mobilização de órgãos públicos e privados para o combate das fake news. Estas iniciativas são muito importantes, principalmente porque já há no mercado empresas que vendem serviços de criação e viralização de fake news para campanhas políticas ou para prejudicar pessoas ou empresas concorrentes.

Portanto, o combate às fake news deve ser realizado por todos, tanto pelas empresas de tecnologia como pelos órgãos governamentais e até mesmo por cada um de nós, que hoje temos voz e vez nas redes sociais, modificando nosso papel social e nossa responsabilidade, obrigando-nos a conferir a informação antes de publicá-la ou compartilhá-la. Quem sabe assim um amadurecimento efetivo no combate às notícias falsas se materializará, e o impacto das fake news em breve será menor do que o esperado, prevalecendo a verdade e a própria democracia.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta quarta-feira: "A importância dos acordos"

ARTIGO

Nilson Reia Boiteux: "Guerra da Lagosta, o contencioso diplomático-militar Brasil x França"

Coronel reformado do Exército
OPINIÃO

Clementino Ferreira de Brites: "A pessoa idosa"

Presidente do Conselho Estadual dos Direitos das Pessoas Idosas
CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta terça-feira: "Soluções para a saúde"

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião