Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

OPINIÃO

Leila Krüger: "O que as Eleições nos dizem sobre Educação no Brasil"

Escritora e jornalista

27 AGO 18 - 01h:00

Recentemente, o Tribunal Superior Eleitoral – TSE – divulgou sua mais recente pesquisa sobre o perfil do eleitorado brasileiro.Dos 147 milhões de eleitores aptos a votar no dia 7 de outubro – quase 4 milhões e meio a mais que em 2014 (52,5% mulheres, 7 milhões e meio a mais que homens) –, mais de 6 milhões e meio são analfabetos, ou seja, 4,463%. Exatamente 32,653% do eleitorado tem apenas Ensino Fundamental completo (6,809%) ou incompleto (25,841%). Já o Ensino Médio foi completado por 22,862%, e 16,880% não chegaram a terminá-lo. Apenas 9, 216% dos eleitores brasileiros contam com Ensino Superior completo, e 4,965%, incompleto. Por fim, mínimos 8,925% leem e escrevem. 

Estes dados são alarmantes: restritos 14,181% do povo brasileiro teve ou tem acesso ao Ensino Superior; cerca de 37% da população sequer chegou a cursar o Ensino Médio, quase 5% são analfabetos e menos de 10%, capazes de ler e escrever. De cada dez eleitores no Brasil, sete completaram no máximo o Ensino Médio e um completou o Ensino Superior. 

O Brasil é um dos países que menos investe nos ensinos Fundamental e Médio, e se encontra nas últimas posições em avaliações internacionais de desempenho escolar (Secretaria do Tesouro Nacional, 2018), apesar de a despesa federal em Educação ter passado de 4,7% para 8,3% entre 2008 e 2017, o que representa um aumento de 1,1% para 1,8% do PIB. Quanto ao Ensino Superior, Temer anunciou um possível corte de R$ 580 milhões nas bolsas da Capes, o CNPq terá projetos limitados e a Finep não estará apta a cumprir seus compromissos. O investimento em ciência no Brasil é de apenas 1,2% do PIB. Em compensação, haverá aumento de 16,38% para ministros do STF em 2019, um impacto de 717,1 milhões em todo o Judiciário, o que significa mais do que todo o investimento do governo no projeto Mais Alfabetização, que é de apenas R$ 523 milhões.

Resumindo, gastamos pouco com os ensinos Fundamental e Médio, que são de baixa qualidade a exemplo de boa parte do Ensino Superior, o qual é inatingível para a imensa massa. Educação não é prioridade no Brasil, mas sim a manutenção da dispendiosa e burocrática estrutura política por meio de barganhas e altíssimos impostos. Assim fica difícil ter um país mais consciente e socialmente responsável, que possa, através do voto, se renovar. 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta quarta-feira: "Por uma melhor gestão"

ARTIGO

Paulo Cabral: "Gota d'água"

Sociólogo e professor
OPINIÃO

Jaime Verruck: "Facilidade e confiança com a Liberdade Econômica em MS"

Secretário de de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar
CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta terça-feira: "Sem a devida proporção"

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião